A cidade velha de Jerusalém e Via Sacra agora são acessíveis!

A cidade velha de Jerusalém e Via Sacra agora são acessíveis

Pela primeira vez na história, neste ano de 2022, durante as celebrações da Páscoa judaica e cristã, bem como do Ramadã, peregrinos e turistas com deficiência e/ou mobilidade reduzida, tais como idosos, obesos e mulheres gestantes,  puderam visitar, com segurança e conforto, a Cidade Velha de Jerusalém e percorrer a Via Sacra, também chamada de Via Crucis ou Via Dolorosa, que começa no leste de Jerusalém, perto da Porta dos Leões, atravessa grande parte da Cidade Velha e termina no Santo Sepulcro.

Essa façanha só foi possível com a conclusão das obras do Projeto Cidade Velha de Jerusalém Acessível, meticulosamente planejado e executado durante mais de 10 anos, com a cooperação de comerciantes e moradores da área, e que contou com investimentos equivalentes a 32 milhões de reais. Como resultado, quatro quilômetros de ruas nos bairros muçulmano, armênio e cristão foram tornados acessíveis e cerca de 2km de corrimãos foram instalados ao longo de escadas e  paredes por causa da inclinação das ruas. O pavimento foi renovado, a infraestrutura subterrânea, incluindo o esgoto, foi substituída. As fachadas receberam pintura e novos toldos. Ajustes para a instalação de ar-condicionado e cabeamento foram feitos, as entradas para comércios e residências foram acessibilizadas e, agora, existem 14 banheiros acessíveis e devidamente sinalizados em toda a Cidade Velha.

Um dos principais desafios desse projeto foi fazer todas as intervenções sem interromper a vida dos moradores locais, nem impedir o acesso de milhões de turistas e devotos que visitam todos os anos essa cidade de mais de três mil anos e seus muros, considerados sagrados pelas três grandes religiões monoteístas: cristianismo, islamismo e judaísmo.

Além disso, o projeto teve de enfrentar outro fator complicador. Essa área retangular amuralhada, com pouco menos de 1 km², conhecida como Cidade Velha ou Cidade Dourada, onde estão locais de importância fundamental – como o Monte do Templo e Muro das Lamentações para os judeus, a Basílica do Santo Sepulcro para os cristãos, e o Domo da Rocha e a Mesquita de Al-Aqsa para os muçulmanos – foi declarada Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).
Segundo informações, 95 % da cidade está satisfatoriamente acessível.

Realizado sob a liderança do Ministério do Patrimônio de Jerusalém,  em parceria com o Ministério do Turismo, o Município de Jerusalém, a Autoridade de Antiguidades de Israel, a Autoridade de Desenvolvimento de Jerusalém e a Corporação de Desenvolvimento de Jerusalém Oriental, o projeto Cidade Velha de Jerusalém Acessível também inclui um aplicativo de celular que, em nove idiomas, mapeia as rotas acessíveis dentro da Cidade Velha, tornando mais fácil para indivíduos, famílias e grupos escolherem seu trajeto.

Agora, não só cadeiras de rodas e carrinhos de bebê têm acesso, mas também ambulâncias, carros de bombeiros, caminhões de coleta de lixo e pequenos veículos elétricos, semelhantes a carrinhos de golfe, funcionam como táxis e transportam idosos e pessoas com deficiência a qualquer lugar.