A Educação Especial em Campos do Jordão/SP

barra de anuncio da revista

Por Andrea Bussade

A Secretária de Educação de Campos do Jordão/SP, Marta Esteves, que é pedagoga com mestrado em Educação e currículo pela PUC-SP, está à frente do cargo há 8 anos e explica que o município é dividido em sete setores de educação infantil, onde cada setor tem de 2 a 3 escolas, totalizando 20 escolas de educação infantil, desde a creche (4 meses até os 5 anos e meio), 9 escolas de ensino fundamental I (de 1º ao 5º ano) e 6 escolas de ensino fundamental II (de 11 a 14 anos).

Todas as escolas da rede municipal de Campos do Jordão/SP contam com o trabalho de um psicopedagogo que faz o atendimento educacional especializado em todas as etapas, sendo que, no ensino fundamental I, onde há uma concentração maior de casos mais complexos, faz-se um trabalho preventivo, principalmente quando a professora identifica que o aluno tem algum problema na aprendizagem e encaminha para ele, que conversa com a família para entender se a criança teve algum problema no parto, algum problema psicomotor e que faz uma avaliação psicopedagógica, corporal, de linguagem, definindo se essa criança vai passar para o AEI – Atendimento Especial Especializado e se ela precisa ser atendida no CIREPE – Centro Pedagógico de Recursos Especiais, espaço onde há atendimentos clínicos especializado de fonoaudióloga, psicologia e fisioterapias, onde as crianças com TEA (Transtorno do Espectro Autista) são atendidas, de 3 a 4 vezes na semana, no contra turno, para que seja criada uma rotina. A metodologia utilizada no CIREPE, são PRÁTICAS BASEADAS EM EVIDÊNCIAS.

Marta ressalta que o AVE – Auxiliar de Vida Escolar, ajuda nas rotinas diárias e não têm funções pedagógicas na escola.

As escolas atendem, ainda, crianças com deficiências físicas, intelectuais, visuais e auditivas e, neste caso, disponibiliza um intérprete de Libras, em sala de aula.

Heidy Gonzalez TeixeIra da Costa, Chefe da Divisão de Educação Especial e EJA – Educação de Jovens e Adultos, ressalta, emocionada, que um aluno com deficiência visual foi alfabetizado, em Braile, que está no ensino fundamental e lê fluentemente.

Segundo a Secretária de Educação, o maior desafio desse ano é a voltar às aulas com 35 % dos alunos, apesar do município estar na fase vermelha, formação específica para o AEI e Libras, e estruturar as salas de aulas.

mulher branca veste blusa no fundo o céu aberto e árvores
Heidy Gonzalez Teixeira da Costa, Chefe da Divisão da Educação Especial e EJA
mulher sorri sentada à mesa com notebook
Marta Esteves, 37 anos de Magistério, com experiência em Direção Escolar, Docência no Ensino Profissionalizante e Superior e há 8 anos, Secretaria de Educação de Campos do Jordão/SP

 

  • Andréa Bussade de Oliveira é jornalista e mãe da Rafaela de 26 anos e do Gabriel de 19, com autismo.   
  • andrea.bussade.oliveira@gmail.com
Font Resize