ACESSIBILIDADE NA WEB: COMO O E-COMMERCE PODE AJUDAR?

Por Éder Medeiros

Falar sobre acessibilidade na web voltada para o e-commerce pode parecer um assunto habitual, mas ainda é pouco explorado. Compreender as necessidades desse público é de extrema importância para entender como podemos evoluir nesse quesito e tornar os espaços de compra mais acessíveis e inclusivos. Isso porque, segundo dados do IBGE, cerca de 45 milhões de brasileiros possuem algum tipo de deficiência, o que representa mais de 24% da população. Desse total, os tipos de deficiência mais comuns são visual, motora e auditiva.

Quando falamos sobre esse assunto, nos referimos a um conjunto de ações e cuidados que precisam ser tomados para garantir que as pessoas com deficiência consigam acessar qualquer site. Vale saber que, de acordo com uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) em parceria com a Toluna, 37% desse público compra online mensalmente, e 23% quinzenalmente.

Apesar de ser um mercado em potencial, a dificuldade que esses consumidores ainda enfrentam para realizar uma compra sem precisar de ajuda de terceiros, seja em lojas físicas ou online, é preocupante. De acordo com relatório divulgado no final de 2020 pelo Núcleo de Inteligência e Pesquisas da Escola de Proteção e Defesa do Consumidor do Procon-SP, 59,15% das pessoas com deficiência entrevistadas informaram que “às vezes” encontram dificuldade para comprar em lojas físicas e 34,74% disseram que “sempre” enfrentam problemas.

Ao compreendermos que esse público tem força o suficiente para gerar vendas, podemos promover soluções para cada uma das deficiências citadas anteriormente, pensando na individualidade e dificuldade de cada cliente.

Em relação aos consumidores com deficiência visual e motora, os e-commerces podem oferecer texto alternativo nas imagens, controle de cursor, fontes grandes, opções “selecionar para falar”, adaptação do site com um zoom de 200% e cadastros simplificados como solução.

Já para as pessoas com deficiência auditiva, legendas em conteúdos em vídeo e informações importantes de forma escrita podem funcionar.

Por fim, aos deficientes cognitivos, opções de teclado na tela, interfaces limpas e sem distrações, conversor de texto em voz, criação de textos objetivos e sem palavras de difícil entendimento são ótimas escolhas.

Não se esqueçam, precisamos tornar o mundo como um todo mais inclusivo e esses são apenas pequenos detalhes que fazem a diferença no dia a dia do setor varejista. Esse público merece atenção e deve ser tratado de forma igualitária, para que possa realizar os seus desejos e ter uma boa experiência de compra. Pense nisso!

*Éder Medeiros é CEO do Melhor Envio, plataforma de cotação e geração de fretes que oferece condições mais competitivas para quem vende pela internet.

** Este texto é de responsabilidade exclusiva de seu autor, e não expressa, necessariamente, a opinião do SISTEMA REAÇÃO – Revista e TV Reação.