Brincar é coisa muito séria!

Quando uma criança nasce é bombardeada com sensações no corpo que são percebidas pela nossa pele, por exemplo a aproximação de alguém, o gosto de um alimento. É a ação de nossos sentidos que estão em alerta o tempo todo e para estimular os sentidos as crianças têm direito de brincar e de bagunçar também. Para crianças com deficiência é um pouquinho difícil, mas não impossível.

 Lavínia Santos Oliveira, 7 anos, tem paralisia cerebral e gosta de pular corda e amarelinha, mas, como é cadeirante, a sua mãe a ajuda. “Sou filha única.  Minha mãe às vezes brinca comigo, mas ela não tem imaginação. Na escola tenho muitas amigas que brincam comigo”.

Todas as coisas são muito difíceis para Helena Santos Pinheiro. Ela tem mielomeningocele e paralisia cerebral. No entanto, não a impede de brincar de pular e correr com seus pais. Afinal, tem 4 aninhos e muita energia !

Pietro Araújo que também tem paralisia cerebral e é um pouco mais velho do que Lavínia e Helena, pois já tem 8 anos, é arteiro que só !  Ele gosta de martelar para arrumar os carrinhos, desenhar na parede, fazer de balanço a coberta. É uma diversão enorme com sua irmã !

A fisioterapeuta Simone Abreu explica que como regulador das sensações podemos usar o ambiente, as roupas, brinquedos e muito mais associado com texturas diferentes para aprimorar nossos sentidos e com isso nossas funções. No entanto, em algumas pessoas esses receptores podem estar alterados e gerar muita ou pouca percepção. Podem causar aumento ou diminuição das sensações e isso pode dificultar as aquisições adequadas das etapas motoras, gerar compensações posturais inadequadas e até dor.

Para a psicóloga Claudia Theophilo, além de favorecer as habilidades motoras e sensoriais, o brincar proporciona desenvolvimento da comunicação, da aprendizagem e da sociabilidade. Inclusive, é através do brincar que as crianças expressam seus sentimentos.

Então vamos brincar mais e fazer de todos os dias o “Dia da Criança”, com muita diversão e alegria !