Cais promove Audiência Pública na Câmara de Contagem, MG, sobre prematuridade

O Dia Mundial da Prematuridade, 17 de novembro, terá como principal ação em Contagem, em Minas Gerais, a realização de uma audiência Pública na Câmara Municipal, solicitada pelo Centro de Atendimento e Inclusão Social (Cais), que neste ano completa meio século de assistência e defesa de direitos das pessoas com deficiência.

Na audiência pública será debatida a mais recente pesquisa do Cais, que revê a atenção básica aos bebês prematuros e aponta a necessidade de promoção de políticas públicas mais eficientes que possam resultar em substancial economia para o SUS.

A audiência contará com a participação do sociólogo e professor emérito da Universidade de Paris Descartes, Eric Plaisance, membro do conselho científico do Observatório Nacional para Crianças em Perigo (ONED). Responsável por reformulações de leis francesas em favor de pessoas com deficiência, Plaisance fará um contraponto entre políticas públicas adotadas em seu país e as brasileiras. Requerida pelo presidente do Legislativo de Contagem, vereador Alex Chiodi, a sessão contará com a presença de outros especialistas e de mães que tiveram bebês prematuros e recorreram ao Cais.

Instituído em 2009 com o propósito de criar estratégias que reduzam a taxa de bebês que nascem antes do tempo no mundo, o Dia Mundial da Prematuridade lança a luz sobre a importância da atenção imediata e prolongada nos cuidados com o prematuro. Todos os anos, 15 milhões de crianças nascem prematuramente no planeta, cerca de 13% só no Brasil. Organizada pelas psicanalistas Cristina Abranches e Simone Gordiano, a pesquisa inédita do Cais sobre bebês prematuros conclui que a partir do nascimento do prematuro é imprescindível que haja uma atenção integral para prevenir e reduzir os danos que possam ocorrer durante o desenvolvimento da criança, identificando patologias e tratando-as desde o início.

A pesquisa do Cais foi realizada entre 2016 e 2020, período em que foi observado o desenvolvimento de 384 bebês prematuros.

Segundo Cristina Abranches, a receptividade e o envolvimento da comunidade no processo foram fundamentais para o seu sucesso. “A pesquisa foi muito bem vista pelas famílias que participaram. As crianças que já haviam recebido alta e retornaram para o estudo reagiram de forma bastante positiva ao contato com a equipe e o retorno ao Cais. A maioria rememorou o motivo de ingresso nos programas do Cais, como foi o tratamento e seus efeitos para as crianças e os familiares”, conta, observando que a comunidade científica, demonstrou imenso interesse em conhecer detalhes e resultados desta pesquisa, o que motivou a realizar uma publicação com os pormenores da pesquisa, o livro Estudos e pesquisa: construindo um saber sobre a clínica de bebês, que compõe o terceiro volume da coleção revista Passagem do CAIS. A pesquisa tem a  chancela do Ministério da Saúde e o patrocínio da Sul América Seguros Saúde.

Para apoiar as causas do CAIS, doações podem ser feitas por meio de apadrinhamento on-line, incentivo fiscal, dedução do imposto de renda e pelo telefone (31) 97178-0935. Mais informações sobre formas de contribuição no site www.cais.org.br.