Com proposta de investimento inédita, startup que ensina Libras conquista quatro dos cinco “tubarões” do Shark Tank Brasil

A proposta foi inédita. Pela primeira vez, o Shark Tank Brasil recebeu uma oferta comercial que não envolvia recursos monetários. O reality show do Sony Channel que coloca empreendedores cara a cara com grandes empresários e investidores para apresentar ideias dessa vez teve a participação de um negócio inovador, que busca aliar lucro e impacto social positivo por meio do ensino online da Língua Brasileira de Sinais (Libras). A startup curitibana Duolibras participou da 5ª temporada do Shark Tank Brasil e propôs aos “tubarões” 2% da empresa em troca de 15 minutos semanais de mentoria.

 A avaliação dos sharks não poderia ser melhor. Dos cinco investidores, quatro decidiram entrar no negócio e um deles resolveu se tornar cliente do curso de Libras. “Desde o início a gente sabia que o propósito maior da participação do programa seria essa conexão com grandes players do mercado para impulsionar a inclusão das pessoas surdas e estamos muito satisfeitos em saber que eles compraram essa ideia”, comenta um dos sócios, Márcio Ballera. Os empresários João Appolinário, Camila Farani, Carol Paiffer e José Carlos Semenzato ingressaram na causa e propuseram 10% de participação cada. Já Caito Maia afirmou ter interesse em se envolver como cliente, comprando o curso para qualificar seus colaboradores na língua de sinais. 

 A exibição do episódio gerou entusiasmo entre pessoas e organizações que atuam em prol da inclusão das pessoas com deficiência. Durante o pitch para os tubarões, além de apresentar o formato de ensino da DuoLibras e buscar recursos para o negócio social, os sócios Márcio Ballera e Manolo Torres aproveitaram o espaço de alta audiência para provocar uma reflexão sobre acessibilidade: nos primeiros quinze segundos o pitch foi exclusivamente em Libras provocando nos “tubarões” o questionamento: qual é a sensação de ser excluído de um discurso de apenas 15 segundos? “Quando nós vamos pro Shark Tank Brasil não levamos só o Duolibras, não é só uma marca, só nosso negócio. É uma causa, envolve a visibilidade gigantesca que os surdos vão ter, a conscientização de ouvintes para que se tenha no mínimo uma compreensão da importância dessa comunicação, porque por falta dela a comunidade surda vive isolada”, comenta Márcio Ballera. 

 Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), 10 milhões de brasileiros possuem algum grau de deficiência auditiva e encontram dificuldades para se comunicar com os ouvintes e falantes da língua portuguesa. A língua oficial permanece praticamente restrita à comunidade surda que corresponde a 5% da população brasileira. Desde 2018, o curso DuoLibras atua na plataforma digital com uma proposta inovadora para disseminar o ensino da Língua Brasileira de Sinais e reduzir a exclusão social da população surda. “Eu cresci vendo meus amigos surdos enfrentarem dificuldades grandes em situações cotidianas simplesmente porque não conseguiam se comunicar”, relata o professor Manolo, intérprete e palestrante de Libras que desenvolveu a metodologia do curso.  Em dois anos de atividades, 2.400 pessoas já fizeram o curso online, mas a meta dos empreendedores sociais é muito mais ousada: querem construir uma rede de 100 mil alunos fluentes que saibam se comunicar em Libras.  

Metodologia DuoLibras

O DuolLibras é um curso 100% online que funciona como um seriado, com personagens que exercem função pedagógica e são interpretados pelo próprio professor que desenvolveu a metodologia e também é tradutor e ator. São 120 episódios em vídeos que apresentam situações reais do dia-a-dia e explicam os sinais durante as intervenções feitas pelo professor. A proposta é ensinar o aluno ouvinte por meio da assimilação dos sinais ao contexto em que é empregado, proporcionando uma imersão na cultura surda. “Isso faz com que o aluno tenha interesse em saber o que vai acontecer no próximo episódio e aprenda de maneira mais dinâmica e divertida. Cada personagem mostra um estilo diferente de se comunicar, porque assim como na língua falada, a língua de sinais reproduz variações, sejam elas regionais ou comportamentais”, explica o professor Manolo, que cresceu  junto à  comunidade surda e é fluente em Libras desde então. Os alunos acessam a cinco aulas-episódios por semana. O curso completo dura seis meses.

 

Mais informações em https://www.duolibras.com.br/

Font Resize