Como identificar um AVC

Como identificar um AVC

Nem todos sabem como identificar um AVC, o Acidente Vascular Cerebral acontece quando os vasos responsáveis por levar o sangue até o cérebro entopem ou se rompem, causando assim morte dos neurônios da área cerebral que ficou sem a circulação sanguínea.

Por esse motivo, quanto antes identificado e iniciado o tratamento, menores são as chances de danos mais graves ao paciente. E como fazer isso? Ficando atento aos sinais.

Assine nossa Newsletter

Newletter

“Os sintomas do AVC aparecem de forma súbita, por isso devemos estar atentos e buscar ajuda médica o quanto antes”, enfatiza Mariana Peres de Carvalho, coordenadora do núcleo de fisioterapeuta do Núcleo Paraense de Recuperação Motora Cognitiva e Comportamental (NUPA).

Como identificar um AVC

Para identificar os sinais do AVC você pode usar a técnica conhecida como “SAMU”: sorriso, abraço, mensagem, urgente.

Sorriso – durante o AVC a boca pode ficar torta, peça para que a pessoa tente dar um sorriso.

Abraço – nesse momento fica difícil para a pessoa levantar os dois braços ao mesmo tempo. Peça para que ela tente te abraçar. Mensagem – quem está tendo um AVC pode começar a apresentar dificuldades de fala, peça para a pessoa cantar. Você vai perceber a fala embolada.

URGENTE – Se você perceber um desses sinais, chame o SAMU da sua cidade urgente (ligue para 192).

Como identificar um AVC

Outros sintomas ainda podem ser: dificuldade de caminhar ou ficar em pé; formigamento e falta de força em um lado do corpo; problema de memória recente e passada; e dor de cabeça intensa com vertigem. O tratamento precoce com medicamentos, como TPA (anticoagulante), pode minimizar danos cerebrais, por isso é importante buscar auxílio médico imediatamente. O tratamento com fisioterapia neurofuncional também deve ser iniciado rapidamente. “Quanto antes a pessoa for socorrida e iniciar o tratamento com o fisioterapeuta neurofuncional, melhores serão os resultados e menores as sequelas”, finaliza Mariana.

Sobre o Núcleo Paraense de Recuperação Motora Cognitiva e Comportamental (NUPA)

A clínica é referência no atendimento a pacientes com danos neurológicos e possui equipe especializada em diversas áreas, como: Fisioterapia, Fonoaudiologia, Musicoterapia, Neuromodulação e Terapia Ocupacional. O do NUPA está nos métodos de tratamento avançados, como Theratogs, PediaSuit, Bobath, Integração Sensorial, Contensão Induzida, ABA e DENVER. Para mais informações, acesse as redes sociais Facebook @nupa.belem  e Instagram @nupa.belem

 

 

Mulheres correm mais risco de terem Acidente Vascular Cerebral

Um dos problemas que mais causa mortes no Brasil está em evidência hoje, Dia Mundial do Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Nesse ano, o tema da campanha é “Eu sou mulher: o AVC me afeta”, reforçando que o sexo feminino é o que possui maior risco de morte, apesar de a doença atingir também muitos homens. De cada 10 mortes por AVC no mundo, 6 são de mulheres.

Além disso, o AVC pode deixar sequelas motoras, restringindo o paciente ao leito ou cadeira de rodas; cognitivas, com evolução de perda de memória e demência vascular; bem como dificuldades de fala ou deglutição (alimentação). Conforme a neurologista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Rosane Brondani, a prevalência do AVC em mulheres é maior em função da expectativa de vida ser maior.

“Entre as demais particularidades, o uso do anticoncepcional oral, a reposição hormonal, a enxaqueca com aura – aquelas alterações que vêm antes da crise de dor, como a perturbação visual – também são fatores de risco. E, hoje, elas fumam, bebem e se estressam mais do que anteriormente”, observa Rosane.