Conexão, inclusão e diversidade são os temas do Dia Internacional da Síndrome de Down do Mano Down

Mais de 70 horas de programação e um mês inteiro de atividades on-line sobre inclusão e diversidade para todos os públicos no Mês da T21 promovido pelo Instituto Mano Down

Março é o mês de comemoração do Dia Internacional da Síndrome de Down e para marcar essa data, tão importante para a conscientização e luta dos direitos das pessoas com T21, o Instituto Mano Down – organização social de Belo Horizonte; preparou o Mês da T21 – Conexão, Inclusão e Diversidade.

As atividades foram iniciadas no dia primeiro de março e vão até o final do mês. Serão mais de 70 horas de programação e um mês inteiro de atividades diversificadas, voltadas para todos os públicos – pessoas com deficiência intelectual, familiares, profissionais, instituições e toda a sociedade, de uma forma geral.

Na programação estão rodas de conversa, palestras, lives e eventos comemorativos, que contarão com a participação de educandos (pessoas com síndrome de Down), profissionais referências na área, influenciadores e personalidades que se envolvem com a causa, como a Jakelyne Oliveira, ex-participante da A Fazenda.

Em virtude da pandemia, todos os eventos serão realizados de forma on-line, através das redes sociais, youtube e plataforma zoom.

A programação completa está disponível no site: https://bit.ly/mest21_programacao

 

CONECTADOS PELA INCLUSÃO

“Conectar” foi o tema escolhido esse ano pela ONU – Organização das Nações Unidas para as comemorações do Dia Internacional da Síndrome de Down.


O tema traz uma reflexão sobre a importância de permanecermos conectados, mesmo que virtualmente, nesse período de isolamento social.Segundo Leonardo Gontijo, presidente do Instituto Mano Down, a questão é importante, principalmente para as pessoas com deficiência intelectual que muitas vezes já experimentam a exclusão e o isolamento em suas vidas.

“A invisibilidade social e o isolamento são problemas que elas sempre enfrentaram e que nós lutamos para que acabem. Temos avançado nesse sentido, mas nesse período de pandemia tivemos retrocessos, e elas têm sofrido ainda mais com a necessidade de ficar distantes das atividades, do trabalho, dos amigos e de muitas outras coisas que são importantes para o desenvolvimento, a socialização e a inclusão delas na sociedade” explica.

 

CAMINHADA UP AND DOWN

Para marcar o encerramento das comemorações do Mês da Síndrome de Down (T21) do Mano Down, será realizada no dia 28/03, a partir das 9h, a 7ª edição da Caminhada Up and Down – Conectados pela Inclusão. Em virtude da pandemia, a Caminhada será realizada em formato virtual, com transmissão ao vivo pelo youtube do Instituto e flashes compartilhados nas redes sociais.

A caminhada, já tradicional nas comemorações promovidas pelo Instituto Mano Down, tem o objetivo de promover, por meio do esporte e da cultura, um novo olhar da sociedade sobre as habilidades e potencialidades das pessoas com T21, além de estimular a socialização e a inclusão. Assim, como os demais eventos, esse ano ela traz o tema “CONECTAR”.

Como explica o Presidente e Fundador do Instituto, Leonardo Gontijo, a Caminhada é um evento recreativo, sem caráter de competição, para que as pessoas possam se integrar e conviver de forma saudável, respeitosa e inclusiva. “Com a pandemia, tivemos que nos reinventar e buscar outros formatos para promover essa integração e garantir a segurança de todos. Assim, ela será virtual, mas todos os inscritos serão convidados a realmente fazer a caminhada, de forma segura, e compartilhar a experiência pelos canais digitais. Estaremos separados, mas conectados”.

E a interação não para por aí. Por meio de aplicativo destinado às caminhadas e corridas, os participantes serão convidados a registrar a quilometragem percorrida durante todo o mês de março.

O objetivo é atingir a soma de 4.174 km, que representaria o percurso entre Oiapoque ao Chuí, de ponta a ponta no Brasil. “A meta é simbólica, para representar o nosso desejo de conectar o Brasil, de norte ao sul, por causa da inclusão das pessoas com síndrome de Down e outras deficiências”, explica Leonardo Gontijo.

O evento está programado para ser iniciado às 9h e tem previsão de encerramento para às 12h. Na programação estão diversas atividades culturais e esportivas – aulão de zumba, roda de capoeira, alongamento e funcional, show com o músico Dudu do Cavaco (que tem síndrome de Down) e banda.

Durante todo o evento serão exibidas mensagens, fotos e vídeos dos participantes que estiverem fazendo a caminhada, nos mais diversos locais do Brasil.

O evento virtual é gratuito e aberto ao público.

As inscrições estarão disponíveis em breve, através da plataforma sympla – http://bit.ly/CAMINHADA_MD2021

 

CAMPANHA AJUDE O MANO DOWN

Todas as atividades do Mês da T21, promovidas pelo instituto, serão gratuitas. No entanto, o Mano Down convida os participantes que tiverem condições a contribuírem com a sua campanha de doação.

O foco da campanha é a arrecadação de fundos para compra de materiais de proteção individual (EPI descartáveis) e de desinfecção, para a preparação da estrutura do Instituto e da equipe para a retomada dos atendimentos presenciais de mais de 300 famílias, com toda a segurança necessária e após a liberação pelas autoridades.

As doações podem ser feitas por meio de plataforma digital: https://doe.manodown.com.br/campanha/mano-down-2021

 

SOBRE O INSTITUTO MANO DOWN

O Instituto Mano Down é uma organização sem fins lucrativos, que desenvolve projetos e programas focados no desenvolvimento de potencialidades e na busca de autonomia das pessoas com síndrome de Down (T21).

Idealizado e criado por Leonardo Gontijo, o Instituto nasceu em 2011 do desejo de dar “vez e voz” para as pessoas com Down e de criar oportunidades para que elas possam ser reconhecidas por suas capacidades. A história surgiu do amor de Leonardo por seu irmão caçula, o Eduardo – também conhecido como Dudu do Cavaco – que tem a síndrome de Down.

Hoje são mais de 300 pessoas com síndrome de Down e outras deficiências intelectuais atendidas pelo Instituto e milhares de pessoas impactadas, direta ou indiretamente, pelas ações do Mano Down.

Realizado na Casa Modelo, localizada no bairro Alto Barroca, região Oeste de Belo Horizonte (MG), o trabalho do Instituto contempla todas as fases de vida da pessoa com deficiência – bebês, crianças, jovens, adultos e idosos.

As ações incluem: acolhimento das famílias, intervenção precoce de saúde (fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia), inclusão escolar, oficinas culturais e esportivas, mobilização para autonomia, inclusão no mercado de trabalho e envelhecimento saudável.

Para mais informações sobre o Instituto, acesse: www.manodown.com.br

Font Resize