Crianças com implante coclear ganham novo instituto em São Paulo

O implante coclear é um aparelho cirurgicamente implantável que permite que pessoas com surdez moderada a profunda

Em 22 de outubro passado, foi inaugurado o Instituto Escuta, localizado na Vila Mariana, na capital paulista, única instituição do gênero a trabalhar com crianças e também com suas famílias.

De acordo com a diretora clínica do Instituto, Carla Rigamonti, apesar de proporcionar o acesso aos sons da fala, o implante coclear não garante que a criança – mesmo que implantada precocemente – desenvolva a língua oral. Para isso é fundamental que os cuidadores saibam da importância da manutenção, dos estímulos e da frequência a uma terapia fonoaudiológica de qualidade. É necessário também que a escola esteja preparada para estimular uma criança implantada da melhor forma possível e é importante que a família faça o acompanhamento devido com o grupo de implante coclear. “Esses são alguns fatores cruciais para que a criança possa adquirir a língua oral”, explica a diretora. “No Escuta, nossa ideia é acompanhar a família semanalmente, com atenção especial a esses aspectos e à qualidade de vida do núcleo familiar como um todo”.

O projeto nasceu dentro de uma empresa de importação e comercialização de produtos médico-hospitalares, a Politec Saúde, há 4 anos. “Essa fase mostrou a importância do acompanhamento frequente às famílias, que se sentiam amparadas e empoderadas em relação ao tratamento. Por meio do Projeto de Intervenção recebíamos as famílias semanalmente por duas horas e meia, durante um mínimo de seis meses, e realizávamos atividades específicas para cuidadores e crianças usuárias de implante coclear, considerando a importância fundamental do adulto para o desenvolvimento pleno da criança”, lembra Carla.

Com a inauguração do novo instituto, a Politec continua patrocinando o projeto mas não mais exclusivamente. “Sabiamos que, na transição para o terceiro setor, teríamos a oportunidade de crescer, atender mais famílias e desenvolver novos projetos. O que mudou é que poderemos atender usuários de todas as marcas de implante coclear e ampliar o número e o formato de atendimentos e de famílias atendidas”, explica a diretora.

Além do Projeto de Intervenção, que será agora anual, já oferecido, o Instituto fará também uma avaliação interdisciplinar e, a médio prazo, terá atendimentos clínicos individuais e familiares. “Com a família, realizamos palestras de orientação sobre temas relacionados à surdez, desenvolvimento de fala, direitos e benefícios, entre outros. Queremos que os pais tenham acesso às informações e possam ser menos dependentes dos profissionais. Fazemos também oficinas artesanais, com a ideia de que os pais possam pensar em outras coisas que não exclusivamente o tratamento e desenvolvimento do filho. E, por fim, semanalmente temos o grupo de apoio, onde todos são convocadas a falar”, informa Carla.

A avaliação é gratuita, e o investimento no Projeto de Intervenção será definido mediante análise de perfil socioeconômico. Podem participar crianças até 10 anos de idade. Para ter acesso, é preciso entrar em contato pelo telefone ou e-mail contato@institutoescuta.org

Até 21 de dezembro, o Instituto está em campanha de financiamento coletivo para garantir pelo menos um grupo de Projeto de Intervenção em 2017. A arrecadação é por meio da plataforma juntos.com.vc. Para doar, basta acessar: www.juntos.com.vc/pt/institutoescutaorg#about.

O Escuta tem ainda parcerias com outras entidades do terceiro setor nas recompensas. Uma dela, por exemplo, é uma aula introdutória à Língua Brasileiras de Sinais em parceria com o Centro de Educação para Surdos Rio Branco.

Font Resize