Dia Internacional das pessoas com deficiência: ainda falta acessibilidade no varejo

No dia 03 de dezembro é comemorado o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. De acordo com a ONU existem mais de 1 bilhão de pessoas com deficiência no mundo. No Brasil, são mais de 45 milhões, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e apesar de existirem leis que garantam direitos para esses cidadãos, ainda falta muito a ser alcançado, inclusive no varejo, onde falta preparo das marcas para um atendimento mais inclusivo e acessível.

A falta de acessibilidade faz com que muitos consumidores tenham dificuldade para realizar compras. Um levantamento realizado pela startup Inclue – que oferece treinamento para lojas e agendamento de atendimento para pessoas com deficiência e idosos -, com 116 pessoas, apontou que 67% dos entrevistados indicam falta de capacitação e acessibilidade no varejo.

“Além das rampas de acesso e sinalização, é importante que as empresas tenham uma equipe preparada para realizar esses  atendimentos,  ajudando as pessoas com deficiência, por exemplo, a pegar os produtos que precisam, passar no caixa, acompanhar até o carro. Deixando a experiência de compra mais inclusiva e acessível para todos”, explica Rodrigo Piris, fundador da Inclue, diagnosticado com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Engana-se quem pensa que a falta de acessibilidade acontece apenas no ambiente físico. Um estudo realizado pela BigData Corp apontou que 99% dos sites ativos no Brasil não são acessíveis para pessoas com deficiência.

Para Sonny Polito, um dos fundadores da Inclue, que também é deficiente visual, as marcas não estão preparadas para atender esse público. “Pessoas com deficiência e idosos costumam enfrentar muitos obstáculos para realizar suas compras devido a falta de preparo  e acessibilidade no atendimento, tornando a experiência de compra ruim”, comenta