Doenças evitáveis são importantes causas de deficiência visual intratável

Olho
Freepik - @wirestock

Estudos globais indicam que o número de pessoas com baixa visão funcional, caracterizada por uma deficiência visual intratável, está aumentando. Com o objetivo de traçar o perfil dos pacientes com a condição, pesquisadores da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP avaliaram os prontuários médicos de pessoas atendidas no Centro de Reabilitação (CER) do Hospital das Clínicas da FMRP (HCFMRP) entre 2009 e 2017.

Continua após a publicidade…



Cientistas identificaram as principais causas entre idosos e crianças atendidas no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto com baixa visão funcional

“Como há poucos estudos epidemiológicos que nos dizem as causas de baixa visão funcional ou cegueira irreversível, principalmente em crianças, artigos como esse nos ajudam a ter um panorama das principais doenças na nossa região. Assim, podemos planejar ações de educação em saúde, diagnóstico, tratamento e reabilitação”, explica Manuela Molina Ferreira, médica oftalmologista, mestre pela FMRP e primeira autora do estudo Causes of functional low vision in a Brazilian rehabilitation service.

Os resultados do estudo em Ribeirão Preto mostraram que, entre as crianças, as três maiores causas de baixa visão funcional são: paralisia cerebral (alteração neurológica que afeta o desenvolvimento motor e cognitivo) em 27,9% dos casos, toxoplasmose ocular (doença causada por um protozoário) em 8,2%, e retinopatia da prematuridade (problema na vascularização da retina) em 7,8%. “Nas duas últimas situações é possível adotar medidas preventivas que podem diminuir o índice. Por exemplo, orientação sobre consumo de água e alimentos para casos de toxoplasmose e campanhas de educação direcionadas a gestantes sobre retinopatia da prematuridade, além do pré-natal adequado”, conta.

Continua após a publicidade…



Já entre os adultos de meia-idade e idosos a retinopatia diabética, que é causada por um dano nos vasos sanguíneos da retina e está associada ao mau controle da glicemia, está presente em 18% dos casos e a degeneração macular relacionada à idade, que é uma lesão progressiva da mácula, em 25,3%.

“A retinopatia é uma causa importante e os dados nos contam que muitos diabéticos não estão fazendo o controle adequado da glicemia”, explica João Marcello Furtado, professor da FMRP e coordenador do estudo.

Furtado conta que a degeneração macular relacionada à idade é a principal causa em idosos. “A doença possui um tratamento caro e não curativo. Por isso, com o aumento da expectativa de vida que deve ocorrer nas próximas décadas, o impacto da degeneração macular relacionada à idade deve ser ainda maior em um futuro próximo”, afirma.

A importância do resultado está em aumentar o conhecimento sobre as doenças que estão relacionadas à baixa visão funcional. “Se conseguimos evitar a cegueira, melhoramos a qualidade de vida das pessoas e aumentamos a chance desses indivíduos atingirem um maior nível de estudo e produtividade no trabalho. Isto gera um benefício direto para quem sofre a ação em saúde, mas também para seu entorno e a sociedade em geral”, conclui o professor Furtado.

A pesquisa

Os pesquisadores recuperaram e avaliaram os dados dos prontuários médicos físicos e digitais de pessoas atendidas no ambulatório de Reabilitação Visual do Centro de Reabilitação (CER) do HCFMRP entre 2009 e 2017. Entre as informações recuperadas estão a causa, o quanto enxergavam e quais foram os auxílios ópticos prescritos.

Para os estudos, foram incluídos 1.393 pacientes, que foram separados por três faixas etárias: de 0 a 14 anos, de 15 a 49 anos e com 50 anos ou mais. Sendo que os idosos representavam o número mais volumoso, com 38,8% dos pacientes, seguidos pelas crianças com 36,7%.

Continua após a publicidade…



O estudo Causes of functional low vision in a Brazilian rehabilitation service foi publicado na revista Scientific Reports, do grupo Nature, em fevereiro e conta com autoria de Manuela Ferreira, Furtado e da médica Rosalia Antunes Foschini, do HCFMRP.

Centro de Reabilitação

Criado em dezembro de 2007, o CER do HCFMRP é referência em reabilitação de alta complexidade para Ribeirão Preto e região. Os atendimentos são voltados para as áreas de Reabilitação Física, Visual, Auditiva, Intelectual, Ostomia e Múltiplas Deficiências, além da dispensação de órteses, próteses, meios auxiliares de locomoção e auxílios ópticos.

A equipe é composta de profissionais de diferentes formações, como: fisioterapeutas, médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, assistente social, psicólogos, fonoaudiólogos, educador físico, ortoptista, pedagoga e técnico ortopédico, além de Equipe Técnica e Equipe Administrativa.

 

Fonte: Jornal USP

Mais informações: manuelamf@hotmail.comfurtadojm@gmail.comantunesfoschini@gmail.com com os pesquisadores.