Em São Bernardo/SP, sancionada lei que dá visibilidade para autistas

Celso Luiz/DGABC

O prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), sancionou projeto de lei que auxilia na orientação e na identificação de pessoas com algum tipo de deficiência oculta na cidade, como autistas.

Batizado de Cordão de Girassol, o projeto, elaborado pelo vereador governista Julinho Fuzari (DEM), propõe que pessoas que tenham algum tipo de deficiência oculta e até mesmo familiares e acompanhantes façam uso de um cordão na cor verde e que esteja estampado com imagens de girassóis.Dessa forma, pessoas que estejam com este cordão seriam identificadas em comércios e estabelecimentos públicos, por exemplo, e receberiam atendimento especializado e até mesmo prioritário, de acordo com o autor.

Conforme Fuzari, a ideia do projeto é a de promover o debate sobre questões envolvendo as deficiências ocultas, principalmente aquelas relacionadas ao espectro autista, que por muitas vezes são deixadas de lado pelo poder público. “É preciso debater e encontrar saídas para esse tipo de problema. Às vezes, uma mãe está na fila do mercado, junto de seu filho, e a criança é agitada, não consegue ficar quieta, o que acaba chamando a atenção de outras pessoas. Muitas vezes, essa criança pode sofrer de alguma deficiência oculta ou estar dentro do espectro autista. Se a criança ou a mãe estiverem com o cordão de girassol, elas poderiam receber atendimento específico”, vislumbrou o parlamentar. Na Câmara, em agosto, o projeto recebeu apoio unânime dos demais parlamentares da cidade.

Fuzari ainda relatou que acabou criando esse projeto por acompanhar, durante muito tempo, situações envolvendo o próprio filho, Giuliano, 17 anos. O adolescente foi diagnosticado com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) e recebe tratamento apropriado para que mantenha vida normal. “Essa situação me ajudou a compreender como funciona o problema, para poder tentar ajudar de alguma forma. O retorno que tive das famílias que têm integrantes com algum tipo de deficiência oculta foi muito grande. Espero que o projeto possa ser repetido em outros municípios e até mesmo pelo Estado (de São Paulo)”, avaliou o parlamentar.

Fonte: www.dgabc.com.br/