ENTREVISTA com Renato Baccarelli

Atuando há cerca de 20 anos no setor de automóveis com isenção de impostos e adaptações para pessoas com deficiência, ele é referência no mercado, tanto para montadoras e concessionárias, como para os profissionais que atuam no segmento e para os usuários e consumidores

barra de anuncio da revista

Hoje com 60 anos, Renato Baccarelli de Almeida mora na grande São Paulo, é casado com Ana Paula, pai de Guilherme e Renata, ambos morando na Austrália, é avô da pequena Gigi e padrasto de Andreyzinho. Como ele mesmo gosta de dizer, é um “quase economista” que fez toda sua carreira profissional na área comercial em vários segmentos diferentes.  

Iniciou sua trajetória no universo da pessoa com deficiência em 2001, na Cavenaghi, empresa líder em adaptação veicular para PcD em São Paulo/SP, onde conta que aprendeu tudo que sabe sobre o assunto. Depois de 8 na empresa, saiu em carreira solo atuando como consultor em várias empresas do setor, mas principalmente, junto a montadoras de automóveis que atuam com vendas para pessoas com deficiência e suas redes de concessionárias, ministrando ainda treinamentos. Além disso, fez parte da formação da extinta ABRIDEF – Assoc. Bras. da Indústria, Comércio e Serviços de Tecnologia Assistiva em 2010, onde ministrou vários cursos e treinamentos pelo País, para equipes de vendas de automóveis com isenção de impostos. 

Nos últimos meses o segmento de vendas de automóveis 0Km para PcD vem sofrendo muito com decisões tomadas a nível estadual (SP), e agora, a algumas semanas, também no cenário federal. Tudo isso atinge em cheio os consumidores com deficiência, usuários das isenções, e o mercado como um todo, tanto na produção (montadoras), comércio (concessionárias) e nos serviços (autoescolas, despachantes e empresas de isenção). Vamos saber a opinião do consultor a respeito do atual cenário: 

 

Revista Reação – O Brasil e o mundo vivem o reflexo dos efeitos da COVID-19. Qual sua opinião ? Você entende que mesmo antes de tudo isso o mercado de veículos para PcD já vinha enfrentando problemas no Brasil ?

 

Renato Baccarelli – Sim. O mercado automotivo vinha de uma retração no varejo e o canal de Vendas Diretas – onde dentre outras se enquadra as vendas com isenção para pessoas com deficiência –era a grande alternativa da maioria dos fabricantes. O canal de vendas para PcD era, nos últimos tempos, o principal canal de vendas de muitas marcas.

 

RR – Quais são esses problemas ?

 

RB – A situação do país já resultava em uma queda do poder aquisitivo da população e a insegurança, em uma situação de crise política, afasta os consumidores de bens de alto valor.

 

RR – Acredita que faltam informações reais para que as autoridades possam rever os benefícios que são oferecidos para que as pessoas com deficiência adquiram seus veículos, até mesmo para poder exercer o seu direito de constitucional de “ir e vir” ?

 

RB – Existe uma grande distância entre o poder público e a realidade das pessoas com deficiência no Brasil. Isso gera um desconhecimento total das necessidades das pessoas com deficiência, gerando uma ausência de políticas públicas reais de auxílio à essa grande camada da população. Muitas vezes não se leva em conta os altos custos de uma pessoa com deficiência em seus cuidados diários, e isso leva à uma desigualdade difícil de reparar. É preciso conhecimento e reconhecimento desse universo que forma mais de 45 % da população brasileira, que tem família, que precisam de educação, saúde, segurança, saneamento básico, como qualquer outro cidadão, porém, possuem peculiaridades e necessidades específicas, que o poder público deve levar em conta e os benefícios fiscais, por isso existem, apenas amenizam essas diferenças e precisam ser mantidos.

 

RR – Nos últimos meses, dentre outros problemas, também enfrentamos uma grande valorização do dólar no Brasil. De que forma isso impacta no mercado de automóveis ?

 

RB – Não sé a elevação do dólar, mas também os novos requisitos de segurança, somado à queda de produção de insumos, devido à pandemia, geram um aumento de custos difícil de ser absorvido pela indústria. Assim, os fabricantes inevitavelmente aumentam os preços dos veículos repassando para o consumidor diretamente esse impacto.

 

RR – As montadoras de automóveis tem criado mecanismos para continuar oferecendo boas opções para quem deseja adquirir um veículo com isenção, mesmo com os últimos acontecimentos nesse mercado ?

 

RB – Por muito tempo isso aconteceu. Daí o aparecimento das versões chamadas popularmente de “PcD”. Mas atualmente isso vem se tornando insustentável. 

 

RR – No estado de SP mais especificamente, as pessoas com deficiência enfrentam as novas regras para a obtenção da isenção do IPVA. Qual sua avaliação sobre o tema ? O que acha da justificativa de que o segmento é ‘uma fraude’, utilizada pelo governo para aprovar essas mudanças na Assembleia Legislativa ?

 

RB – Isso é simples de explicar. O estado, incapaz de fiscalizar eventuais abusos, resolve simplesmente cortar benefícios para aumentar sua receita. Simples assim.

E o fazem de maneira arbitrária e totalmente equivocada. Se existem fraudes o estado tem que combatê-las na fonte, com mais critério e fiscalização. Não é tirando benefício de quem realmente precisa que se resolve o problema. E isso se vê em todas as esferas, vide a isenção do IPI, que agora o governo federal limita ao teto de R$ 70 mil também, sem saber ao menos que a oferta de veículos automáticos abaixo desse valor é próxima de zero !

 

RR – Por outro lado, com as últimas decisões do governo federal, as pessoas com deficiência temem também as mudanças na legislação para a isenção do IPI na aquisição do carro 0Km. Acredita que isso pode ser modificado e corrigido de alguma forma ? Como imagina que essas mudanças podem acontecer ?

 

RB – Essa foi uma decisão completamente sem sentido. Será preciso uma grande mobilização política e da sociedade para se reverter esse quadro absurdo. Tenho esperança que as emendas que serão apresentadas à essa medida provisória sejam acatadas, mas no Brasil tudo é possível. Vamos aguardar !