Estive com André Barbieri nos EUA !

Por Izabel Mckvly. Quando resolvi escrever sobre o pequeno Joshua Miller, há alguns anos para essa mesma revista, sua mãe Laura me perguntou se eu conhecia o André Barbieri, um atleta que também fazia parte da CAF.

Moro nos EUA mas como estou um pouco longe de San Diego, que é onde está localizada a sede da CAF – Challenged Athletes Foundation, resolvi adicionar o André no meu facebook, para poder conhece-lo, mas de verdade, nunca realmente conversei com ele.

Me lembro de ter entrado em contato com ele para que pudesse ajudar minha amiga Gilmara e seu esposo, que estavam em busca de apoio para conseguir uma handbike com a CAF. E o André, sem me conhecer ou ter qualquer conhecimento sobre minha amiga, ajudou os dois… E minha amiga e seu esposo conseguiram a handbike !!

O tempo passou e desta vez eu é quem estava em busca de ajuda para conseguir uma scooter para facilitar minha vida. Entrei em contato com PossAbilities, que é uma organização/entidade, e descobri que eles também ajudam as pessoas com deficiência. Mas é necessário participar de um processo seletivo.

No primeiro ano não tive sorte, mas tentei novamente no ano seguinte, que foi no ano passado, e eu consegui. A entrega dos produtos doados é feita numa festa linda !

Coisas que acredito, vem de Deus. Estamos sentadas: minha irmã e eu, e vem a Laura Miller com sua família e pergunta para minha irmã se eles poderiam se sentar conosco. Começamos então a conversar. Quando ela me disse que o André estaria presente com sua esposa e se eu gostaria que ela fosse buscá-los para que estivessemos todos juntos.  

O nosso grande atleta André veio com sua esposa Karina e outro atleta, Greg Crouse, e se sentaram conosco. Pude então agradece-lo pessoalmente por ter ajudado minha amiga.

Mas a noite era de festa, não conseguimos conversar muito. Isso não me impediu de observa-lo. Sua atitude com todos, que generosidade ! Quem é esse rapaz ? Vocês iram podem ver online algumas reportagem sobre o André Barbieri, muitas em Inglês.

Então tive a ideia de escrever sobre ele aqui, para que vocês conhecessem um pouco sobre esse grande atleta e ser humano excepcional. Mas queria algo diferente, não aquela coisa de perguntas e respostas. E pedi pra que ele me falasse o que gostaria que as pessoas soubessem dele, e aqui vai um pouco sobre um atleta da nossa paralimpíada, que vive aqui nos Estados Unidos.

            “O mundo das pessoas com deficiência muitas vezes parece bem injusto. E pode até ser, tudo depende de como você enxerga e vive sua vida. As pessoas normais nem se dão conta do quão abençoadas são, pelo simples fato de poderem caminhar, ou ver, ou falar. Parece tão banal… até o momento que lhe é tirado tal benção. Ou às vezes as pessoas já nascem com uma deficiência, e nunca souberam como é a outra forma de viver”, comenta André. “Eu era uma pessoa sem deficiência até sofrer um acidente de snowboard há 6 anos atrás, o que resultou na amputação de minha perna. Tenho consciência que poderia ter sido bem pior e que meu problema nem é tão grave. Mas após o acidente entrei em algumas portas diferentes, e conheci um mundo novo, e tive experiências fantásticas que jamais teria tido se não fosse pelo acidente. Falo entrar porque na verdade as portas estão sempre abertas, mas você tem que ir atrás e querer entrar nelas”, diz. 

“O que eu fiz para minha recuperação foi nunca desistir dos meus sonhos. Nunca deixei de fazer as coisas que amo, pelo contrário, alavanquei elas. No meu caso, o surfe, que foi minha terapia, para o meu corpo, mente e alma… Além do surfe também comecei a fazer triathlon, por influência, e com grande ajuda do Team PossAbilities da Universidade de Loma Linda. Eles me apoiaram desde o começo do meu acidente e hoje são meus patrocinadores principais”, conta André. 

            “Dentro do triathlon, evolui muito, e fiquei por um triz de conquistar a vaga paralímpica para o Rio 2016. Foi uma longa campanha, na qual contei e ainda conto com o apoio de vários patrocinadores. Além de Loma Linda, tenho patrocínios na cidade onde moro (Santa Barbara) e no Brasil. 

“Chegar tão perto das Paralimpíadas e não realizar o tão esperado e disputado sonho foi bastante frustrante. Mas depois de uma boa folga surfando muito e fazendo snowboard, estou de volta aos treinos fortes e retomando neste novo ciclo olímpico para Tokyo 2020. O importante é que não desisti, e estou dando o meu melhor. Já adquiri um belo resultado no PanAmericano que aconteceu na Florida: 3º lugar ! Foi um belo presente para o meu sexto “ampuversário”, pois acontecei no exato dia de meu acidente há 6 anos !… O importante pra mim é me divertir, fazer as coisas que eu gosto, passar tempo com as pessoas com que eu me importo – minha esposa, que veio comigo do Brasil, meu irmão e cunhada que também moram em Santa Barbara, meus pais, quando vem visitar ou eu vou visitar eles e a família, e meus amigos. O que seria de uma pessoa sem seus amigos ?”, afirma o atleta.

No momento que achar que o que eu estiver fazendo não for divertido, não há sentido em fazer. Por isso, que além do triathlon, vou continuar surfando muito, fazendo snowboard, trilhas etc. Sinto às vezes que a vida é muito curta para fazer tudo que sonhamos/queremos”, encerra André.

Font Resize