Estreante nos Jogos Paralímpicos, seleção de parataekwondo encerra preparação no Brasil

Silvana, Nathan e Débora serão os representantes brasileiros nos Jogos Paralímpicos de Tóquio

Os Jogos Paralímpicos de Tóquio serão os primeiros com o parataekwondo entre as modalidades em disputa. O Brasil terá três atletas na competição: Silvana Fernandes (até 58 kg), Débora Menezes (acima dos 58 kg) e Nathan Torquato (até 61 kg). Todos são da classe K44 (má-formação ou amputação unilateral nos membros superiores). Com os três lutadores, o país será a maior delegação do parataekwondo das Américas e a quarta maior do mundo nos Jogos.

Ao contrário dos esportistas de outras modalidades, que viajaram com antecedência para Hamamatsu, no Japão, os lutadores de parataekwondo realizaram a aclimatação ao megaevento no Centro de Treinamento do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), em São Paulo. A delegação encerrou a preparação no Brasil e embarcará à sede dos Jogos nesta segunda-feira (23).

Técnico da seleção brasileira de parataekwondo, Alan Nascimento explicou como foi todo o processo realizado na capital paulista. “Fizemos um ajuste fino por meio de cinco sessões diárias de trabalho, sendo dois treinos específicos, um treinamento físico e dois períodos de fisioterapia. Por invertermos os horários de treinos, como forma de se adaptar ao fuso japonês, a cada dia no CPB, dormimos uma hora mais tarde. Por exemplo: do dia 18 para o dia 19 de agosto, fomos dormir à 1h. Já do dia 19 para o dia 20, dormimos às 2h. E será assim até esta madrugada, a última antes do embarque”, destacou o treinador.

O coordenador esportivo da equipe, Rodrigo Ferla, completou: “Neste período de aclimatação, fizemos o primeiro treino específico diário na hora do almoço, almoçamos no meio da tarde, realizamos o treinamento físico no final da tarde e o segundo treino específico acontecia já no fim do dia, por volta das 22h30. O jantar era servido à meia-noite. A ideia do planejamento foi ganhar quatro, cinco horas de fuso para minimizar o impacto na chegada ao Japão”, argumentou.

Japão

De acordo com Ferla, o planejamento para a seleção em solos japoneses já está todo preparado. “Estamos com a agenda cheia, do dia que chegarmos [25 de agosto] até os dias de competição [2, 3 e 4 de setembro], mantendo os atletas acordados durante o dia para dormirem à noite, adaptando-se, assim, ao fuso horário. Vamos estudar nossos adversários e treinar no espaço oficial destinado ao parataekwondo nos Jogos [Makuhari Messe Hall B]”, afirmou.

Estreias

A primeira luta de Nathan será realizada no dia 2 de setembro, às 22h15 (horário de Brasília), enquanto Silvana estreará no dia seguinte (3), às 22h, e Débora entrará pela primeira vez no dojo japonês no dia 4, também às 22h.

“Embora nossos três atletas tenham adversários muito difíceis na caminhada até o pódio, temos chances reais de três medalhas nestes Jogos. Os brasileiros estão extremamente preparados para o megaevento. Temos um trabalho incansável em relação ao estudo da modalidade e dos adversários. Elaboramos estratégias para termos o melhor rendimento no dojo”, avaliou Nascimento.

Nathan Torquato

Paulista de Praia Grande, Nathan tem 20 anos, completados no último mês de janeiro.  Nasceu com uma má-formação no braço esquerdo. Aos três anos, quando voltava da escola de bicicleta, acompanhado pela mãe, viu uma academia e insistiu para ela matriculá-lo. Treina no mesmo local até hoje.

Ele conquistou a medalha de ouro no Pan-Americano da modalidade (Heredia, Costa Rica, em 2020) e, também, subiu ao lugar mais alto do pódio nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019.

Débora Menezes

Paulistana de 31 anos, Débora nasceu com má-formação abaixo do cotovelo direito. Bacharel em Educação Física, conheceu os esportes paralímpicos no fim da graduação. Ela competiu no lançamento de dardo até 2013, quando começou a praticar o parataekwondo por hobby. Em 2015, recebeu o convite para se dedicar ao alto rendimento.

Foi prata nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019 e ouro no Campeonato Mundial de Parataekwondo, em 2019, na Turquia.

Silvana Fernandes

Paraibana de São Bento, Silvana possui 22 anos. Ela tem má-formação congênita no braço direito e começou a praticar atletismo aos 15 anos. Em 2018, conheceu o parataekwondo e procurou locais para iniciar a modalidade. Sua primeira convocação para a seleção foi em junho de 2019.

Conquistou a medalha de ouro no Pan-Americano da modalidade (Heredia, Costa Rica, em 2020) e também nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019.


Patrocínio

A delegação brasileira dos Jogos Paralímpicos de Tóquio conta com o patrocínio das Loterias Caixa.
O parataekwondo tem patrocínio das Loterias Caixa.

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro