Falta um ano para a abertura os Jogos Paralímpicos de Tóquio

Devido à pandemia da Covid-19 os Jogos Paralímpicos de Tóquio foram adiados para o dia 24 de agosto de 2021. Ao todo, serão disputados 539 eventos de 22 modalidades e utilizadas 21 arenas na capital japonesa até o dia 5 de setembro de 2021.

A um ano para os Jogos, o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) faz balanço de vagas ainda em disputa para o maior evento paradesportivo do planeta. Para acompanhar as celebrações da data, acompanhe as hashtags oficiais #RumoATóquio2020 #WaitForTheGreats.

Até agora, 105 vagas em 14 modalidades foram confirmadas, sendo 36 no atletismo, dez na bocha, quatro na canoagem, duas no ciclismo, uma no futebol de 5 (para cegos), duas no goalball (feminino e masculino), duas no hipismo, 35 na natação, três no remo, uma no tiro esportivo, uma no tiro com arco, cinco no tênis de mesa, uma no parataekwondo, duas no vôlei sentado (feminino e masculino). 

O Brasil tem chance de conquistar mais vagas para os Jogos de Tóquio, já que o período classificatório de algumas modalidades segue aberto devido o adiamento do evento. Esgrima em cadeira de rodas, halterofilismo, judô, parabadminton, tênis em cadeira de rodas e triatlo, por exemplo, ainda não fecharam seus rankings. 

As modalidades que não contarão com a participação brasileira, até agora, são basquete em cadeira de rodas e rúgbi em cadeira de rodas.  As competições nacionais previstas para serem realizadas no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, permanecem suspensas, assim como o acesso para o público em geral (atletas, técnicos, clubes, associações, estudantes, colaboradores do CPB). Antes, porém, em abril o CPB iniciou o Programa de Acompanhamento Técnico aos atletas paralímpicos do mais alto rendimento que estão em isolamento social devido à pandemia do Covid-19.

O projeto tem como objetivo controlar os efeitos do destreinamento dos atletas enquanto os locais de treino estiverem indisponíveis. Equipes multidisciplinares do CPB, entre fisiologistas, preparadores físicos, nutricionistas, treinadores e psicólogos, realizam videochamadas de maneira individualizada ou em pequenos grupos, para análises e propostas de atividades. Em julho, o Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, recebeu autorização para abertura parcial e um grupo restrito de atletas do atletismonatação e tênis de mesa retornaram as instalações, mediante rígido protocolo de higienização e circulação limitada nas instalações. 

Durante o período de isolamento social, os medalhistas paralímpicos brasileiros também participam do programa Movimente-se, plataforma on-line do CPB e patrocinada pela Loterias Caixa que oferece gratuitamente atividade física a pessoas com deficiência.  Nesta segunda-feira, 24, a um ano dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, a terceira aula do segundo módulo já está disponível. Todo conteúdo do projeto é ministrado pelos técnicos do CPB e atletas paralímpicos, que demonstram como realizar exatamente os movimentos dos exercícios. A terceira aula do segundo módulo conta com a participação dos velocistas Verônica Hipólito, Vinícius Rodrigues e Fabrício Ferreira e o nadador Ronystony Cordeiro.

Acesse o Movimente-se em: movimentoparalimpico.com.br. 

Fonte: Assessoria de Imprensa do CPB – Comitê Paralímpico Brasileiro 

Font Resize