Fundação Dorina Nowill para Cegos se prepara para expandir seu acervo de livros em 2021

Referência na produção e distribuição de publicações acessíveis em Braille, a Fundação Dorina Nowill para Cegos possui a maior gráfica deste segmento em toda a América Latina. Para comemorar a chegada de 2021 e seu aniversário de 75 anos, lançará obras gratuitas para presentear todas as pessoas com deficiência visual. Os próximos meses serão repletos de novidades em seu acervo editorial.

Atualmente, a instituição conta com uma biblioteca com diversos títulos: são cerca de 508 livros em Braille, 3.675 audiolivros e 945 conteúdos digitais. Mas sabendo que em tempos de pandemia o comportamento dos leitores mudou e foi crescente a procura pelos materiais acessíveis, a Fundação Dorina Nowill ampliará ainda mais as opções de leitura para este ano. Entre as novidades que estão por vir, serão publicados gêneros como romance, poesia, infantil, fantasia, espiritualidade, suspense e história.

As crianças serão contempladas com a obra “Alice no Jardim de Infância”. Já os amantes de espiritualidade poderão ler “Conserto para uma alma só”. Uma opção para os interessados em fantasia será o livro “O Filho das Sombras”. E as novidades continuam: os fãs de romance terão acesso aos títulos “A Trilogia de Nova York”, “Mister”, “O Falcão Maltês” e “A cabana do Pai Tomás”. Outros temas também estarão presentes, como o suspense “O homem de Giz” e a obra “Uma história do samba: volume I (As origens)”.

Vale lembrar que, entre os projetos voltados à inclusão da pessoa com deficiência visual por meio do livro e da leitura, a instituição conta ainda com a Rede de Leitura Inclusiva, ação que beneficia pessoas com deficiência visual através da troca de experiência e boas práticas em leitura. São realizados encontros com a presença de leitores, bibliotecários, professores, mediadores de leitura e instituições de atendimento à pessoa cega ou com baixa visão. Ao todo são 3.123 organizações cadastradas que têm acesso aos títulos, sendo uma forma de fomentar debates em todos os estados do Brasil sobre os conteúdos inclusivos.

No último ano, foram cerca de 241 atividades promovidas, entre reuniões de planejamento, oficinas, lives e palestras. Devido a pandemia, a maior parte dessas ações foi virtual e contou com 1.800 participações em encontros on-line. Já as lives atingiram cerca de 8.000 visualizações. Todas esses conteúdos deixaram explícito o interesse e necessidade de diálogos sobre leitura inclusiva e acessível. Para acessar as lives, acesse o canal da Fundação Dorina Nowill para Cegos no YouTube.

A Fundação se orgulha de ter nascido há 75 anos promovendo a leitura acessível no Brasil. Esse é um legado que permanece até hoje. Por isso, a produção gráfica é sempre priorizada em nossas ações, uma vez que os livros em Braille são essenciais para o processo de alfabetização e possibilitam maior aprendizado, entretenimento e cultura para pessoas cegas ou com baixa visão, fazendo com que também façam parte do universo da leitura, mergulhando numa literatura ampla e diversificada”, declara Alexandre Munck superintendente da Fundação Dorina Nowill para Cegos.

Dorina Nowill para Cegos
Como dizia Dorina de Gouvêa Nowill, “na escada da vida, os degraus são feitos de livros”.