Governo do Ceará lança programa para descentralizar serviços

Como parte do Programa de Modernização da Saúde, o Governo do Ceará lançou o Programa de Assistência à Saúde das Pessoas com Deficiência. A iniciativa foi anunciada pelo governador Camilo Santana. A ação vai promover junto ao público-alvo cadastro, censo, formação profissional e implantação de oficinas-escolas em órteses e próteses.

“Esse programa vai possibilitar a inserção e integração das pessoas com deficiência nas políticas públicas, especialmente na saúde. O programa vai fazer a diferença principalmente para as pessoas que moram no Interior e muitas vezes se deslocam para a Capital. A lógica hoje é a descentralização para que as pessoas possam ter os serviços prestados na sua região. Vamos poder planejar para as pessoas receberem a sua assistência, seja a órtese, prótese, cadeira de rodas, medicamento, na sua região”, detalhou Camilo Santana ao comentar a finalidade do novo programa.

Além de levar o serviço de saúde para mais perto do seu público-alvo, o governador explicou que o projeto vai viabilizar também um ganho econômico para as pessoas com deficiência. “Uma outra questão é criar uma economia no entorno dessa área da saúde no Interior com as próteses, a recuperação, manutenção. A ideia é capacitar essas pessoas com deficiência para fazer esse trabalho lá mesmo, inclusive utilizando as nossas policlínicas”, informou o chefe do Executivo estadual.

O programa vai mapear o quantitativo de pessoas com deficiência no Estado através de um cadastro. Em seguida, vai promover um censo para obter informações detalhadas sobre o universo da pessoa com deficiência no Ceará. Para além dessas informações, o Estado vai capacitar cearenses para a elaboração, adaptação e manutenção de órteses e próteses com a implantação de oficinas-escolas, possibilitando emprego e renda à pessoa com deficiência, reabilitação, maior autonomia e garantia de inclusão social.

Para que o programa obtenha as informações necessárias para funcionar com eficiência, o secretário da Saúde, Dr. Cabeto, ressaltou a necessidade das pessoas aderirem aos chamamentos. “É importante que todas as pessoas com deficiência preencham o censo digital para que nós conheçamos a realidade daqueles que precisam usar dessas ações estaduais descentralizadas. Vai acontecer uma série de ações inclusivas, como oficinas descentralizadas, ações de formação e de distribuição de medicamentos e desses itens”, disse o gestor.

Para Marcos Gadelha, secretário executivo de Política em Saúde do Ceará, com as informações no banco de dados o Estado vai ter condições de dar prioridade aos casos de acordo com a realidade individual. “Nós vamos qualificar essa informação, conhecer melhor as necessidades dessas pessoas com deficiência. Isso vai definir as pessoas que vão precisar ser atendidas de forma mais urgente”, afirmou.

As pessoas vão poder se cadastrar através da plataforma Saúde Digital, clicando https://digital.saude.ce.gov.br/pessoas-com-deficiencia/#/inicio

O processo de regionalização será realizado nas 22 áreas descentralizadas da saúde, com distribuição de medicamentos, materiais e insumos, com toda logística necessária para que o atendimento alcance todos da região, de acordo com suas necessidades.

Ações de inclusão

O Governo do Ceará já possui uma série de ações voltadas para as pessoas com deficiência. Dentre as iniciativas, existe o programa Praia Acessível, que são estações que dão oportunidade às pessoas tomarem um banho de mar, o Centro de Profissionalização Inclusiva em Fortaleza e as cinco Residências Inclusivas de Acolhimento.

Recentemente, o Estado lançou as brinquedopraças com brinquedos inclusivo. Outra ação importante foi com o Bolsa Atleta para paradesportistas, além do passe livre intermunicipal para pessoas com deficiência, inclusive para o acompanhante em caso de necessidade

Fonte: https://www.ceara.gov.br

Font Resize