Governo faz campanha para incentivar adoção tardia e de crianças com deficiência e doenças raras

O Governo Federal lançou uma cartilha para incentivar a adoção de crianças mais velhas, de adolescentes e daqueles com alguma deficiência, doença rara ou crônica. A cartilha Adote um Amor foi elaborada pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, destacou a importância da divulgação de informações para sensibilizar os pais para o tema que ela afirmou ser urgente. “A adoção de crianças e adolescentes e de jovens, porque não falar de jovens, precisa ser cada vez mais incentivada no Brasil. E a adoção de crianças com deficiências e doenças raras. Trazer essa discussão é mais que necessário, é mais que urgente.”

Atualmente, há 4.963 crianças aptas à adoção no país e 32.863 pretendentes habilitados, de acordo com dados do Sistema Nacional de Adoção, do Conselho Nacional de Justiça. Segundo a Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, do MMFDH, aproximadamente 25% das crianças que estão na fila de adoção têm deficiência ou algum tipo de doença rara.

A secretária Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Priscila Gaspar, afirmou que a adoção de crianças e adolescentes com deficiência é um tema pouco discutido pela sociedade e rodeado de preconceito. “Ter uma família é algo natural e é próprio de todo ser humano e deve ser a realidade de todas as crianças com deficiência ou com doenças raras. É essencial que possamos compreender, desmistificar e vencer o preconceito, o medo diante da adoção das pessoas com deficiência.”

A Cartilha

A publicação traz as explicações básicas sobre quem pode adotar e como se dá o processo, além de detalhar o que é a adoção tardia e especificidades desse tipo de acolhimento, como a necessidade de adaptação e a importância de desenvolver vínculos de confiança. Sugere também documentários sobre o tema.

Em relação à adoção de crianças e adolescentes com deficiência ou doenças crônicas e raras, a cartilha Adote um Amor tem orientações sobre a legislação relacionada às pessoas com deficiência e doenças raras, como buscar assistência à saúde, escola e transporte para esses casos. E também sugere a leitura de exemplos de casos de adoção.

A publicação também apresenta dados que mostram que, atualmente, 55,6% dos pretendentes habilitados afirmam aceitar adotar crianças com alguma deficiência ou doença. No entanto, apenas 5,36% deles aceitariam adotar uma criança com HIV, 4,1% concordaram com a adoção de crianças com deficiência física, e somente 2,5% se habilitaram para receber uma criança com deficiência física e intelectual.

Para acessar a cartilha, o link é: https://www.gov.br/mdh/pt-br/assuntos/noticias/2021/maio/copy_of_ADOTE_UM_AMOR_FINAL_FINAL.pdf