Instituto PAE – Programa de Atendentes Eficientes em grandes eventos

Eles seguem o pensamento de Lau Patrôn: “Inclusão não é favor, é um processo de melhora do mundo para todos. É entender a diversidade como força e não como fraqueza”.

Assim, desde 2018 o Instituto PAE – Programa Atendentes Eficientes vem atuando com o objetivo de permitir que as empresas e instituições apoiadoras busquem os jovens cadastrados a partir de um portfólio organizado por perfis e experiências. A união entre pais e voluntários, com um mesmo desafio, criaram o Instituto que é sem fins lucrativos, e organiza ações que possibilitem ampliar o acesso de jovens com Síndrome de Down em atividades profissionais compatíveis com a sua capacidade, conhecimento e potencialidades.

O Programa oferece cursos, workshops e palestras com profissionais experientes para a capacitação dos jovens.

Maria Clélia da Silva, presidente do Instituto diz que: “tudo nasceu da necessidade de maximizar as oportunidades de inclusão de jovens com Síndrome Down no mercado de trabalho. O Instituto está aberto para acolher novos pais voluntários e profissionais parceiros, que compartilhem do ideal de uma Inclusão sem barreiras, pensada por eles e para eles. Nada de nós, sem nós”.

“A equipe de Atendentes é formada, em sua maioria, por jovens que foram treinados para várias funções para atendimento e recepção em vários tipos de eventos e públicos. Alguns destes jovens foram capacitados pelo IMREA – Instituto de Reabilitação da Faculdade de Medicina da USP – Fundação Lucy Montoro e ABEOC-SP – Associação Brasileira de Empresas de Eventos, Escola Brasileira de Etiqueta. Além dos filhos dos pais voluntários que dirigem a associação, também fazem parte da equipe de Atendentes Eficientes, jovens de outras Instituições, dentre elas a ADID – Associação para o Desenvolvimento Integral do Dow”, comenta Donato Locaspi, Diretor Financeiro da entidade.

Os Atendentes do Instituto já participaram de diversos eventos organizados pelo Grupo Alcântara Machado. Os integrantes do PAE estiveram, em 2018, em importantes eventos como: FISPAL Food Servicee Tecnologia, ABF Francinsing, Formobile, Cosmetique e Pharma, Glass e, PET, HIGH Design, Salão do Automóvel, AbCasa FAIR, LATAM RETAIL,  Notáveis Droga Raia, Expo Disney, Convenção Burger King HOSPITALAR e Bradesco Mulheres. Também participam de eventos da ABAV – Expo Internacional de Turismo. E o calendário de trabalho para 2019 já incluiu a participação na AbCasa, ISC, COHNAR, Convenção SAP, WTM, entre outros. Mas o ano ainda não acabou e a agenda dos Atendentes está bastante concorrida.

Para Jorge Villalobos, Diretor de Comunicação: “desde sua criação em 2018, o mercado de Feiras, Eventos, Congressos, Turismo que necessita da contratação de mão de obra sazonal, temporária e treinada para funções especificas e, em sua maioria iniciada pelo atendimento e recepção de diversos púbicos, tornou-se rapidamente o principal empregador dos jovens cadastrados no PAE. O objetivo é que o intercâmbio entre os jovens e empresas contratantes seja feito de maneira profissional e independente, com a menor intervenção possível”.

O Instituto PAE conta com o apoio da Agência ATENTO, na efetivação das contratações, bem como na avaliação individual de desempenho/pós-cada trabalho realizado.

O PAE está nas redes sócias, divulgando seu trabalho em busca de novos integrantes. “Nossos Atendentes são focados a ganhar autoconfiança e autonomia. Recomendamos aos contratantes que façam um rodizio nas tarefas entre os Atendentes para despertar o interesse em outras atividades e para que possam desenvolver outras habilidades”, afirma a presidente do Instituto.

Os Atendentes tem, em sua maioria, carga horária de no máximo sete horas, com um intervalo de uma hora para almoço. A diária sugerida é bem sugestiva, inclusive recebem refeição. O valor das diárias trabalhadas é depositado na própria conta de cada trabalhador ou responsável.

 

BOX

 

O PAE no ponto de vista dos “pais” !

 

Monika Wolf Costa e Weliton Alves da Costa são os pais de Caio Wolf Costa de 18 anos. Residem na Zona Leste da capital paulista e fazem parte do Programa desde março de 2019. O Caio já trabalhou em quatro importantes eventos. “Para nós é uma grande satisfação participar do PAE. Ele se sente feliz. Aumenta a autoestima. Se sente útil. Ganha seu próprio dinheiro. É gratificante. Percebi o amadurecimento dele após iniciar a participação no Programa. Ficou muito mais responsável. Sabe quanto ganha e quanto tem. O dinheiro dele está guardado. Ele disse que vai utilizar para uma viagem. É um grupo muito unido. O Caio é muito amável. Adora estar no projeto”, conta a mãe.

Para o pai: “as empresas estão valorizando nossos garotos. Espero que a visão das empresas – no seu papel na sociedade para incluir as crianças PcD – seja cada vez maior. Hoje enxergam os jovens quase de igual para igual. É o que as crianças esperam”, afirma.