Lei paulistana amplia atendimento de mulheres com deficiência na rede pública

O prefeito de São Paulo, SP, Ricardo Nunes, sancionou projeto do vereador Eli Corrêa (DEM) que amplia o atendimento de para mulheres com deficiência na rede pública da capital paulista. “Entre as ações, prevemos que as unidades de saúde troquem, por exemplo, a maca convencional por uma elétrica”, pontua Eli. O parlamentar explica que esta mudança vai permitir, por exemplo, que as pacientes possam se posicionar de modo autônomo na maca para as consultas. 

A solução mais imediata é remover as pacientes no colo para acomodação na maca. Para o parlamentar paulistano, a ação pode não ter muita relevância para quem não é deficiente, mas pode ser muito marcante para a mulher. “Muitas dessas mulheres não contam com companhia para todas as consultas. Por isso, ao serem movidas da cadeira de rodas para a maca pela médica ou algum auxiliar, mesmo com as melhores das intenções, podemos estar ferindo a autoestima desta mulher”, pondera Eli. 

 

Acessibilidade

A proposta foi elaborada com base no projeto “Sábado sem barreiras” desenvolvido no Hospital Pérola Byington pela doutora Maria de Fátima Duarte. Considerando que das 460 unidades básicas de saúde da capital, menos de 5%, das são acessíveis, a ideia é dar celeridade neste processo. 

 O vereador Eli Corrêa pondera a urgência de um planejamento efetivo para mudar esta realidade. Como não é possível executar isso em todas as unidades simultaneamente, Eli propôs que esta implementação seja feita por região. A ideia é aproximar os serviços das mulheres que precisam deste atendimento específico. 

A proposta prevê que a Prefeitura faça um planejamento para adaptação integral dos equipamentos de saúde municipais. Entre as alterações sugeridas estão ambientes específicos para atendimento individual, exames e coleta de materiais. Eli inseriu a atuação de ginecologistas, enfermeiros, psicoterapeutas e psicólogos para formar uma equipe multidisciplinar.

 

Participação feminina 

O autor da proposta defende, ainda, que as mulheres com deficiência tenham mais oportunidade de contribuir nas tomadas de decisões, especialmente das questões que as afetam diretamente. “Independentemente das limitações no corpo, as mulheres têm um espírito de guerra, luta, uma sede por autonomia que as tornam gigantes”, ressalta Eli.  Um engajamento maior destas mulheres, para o vereador, “vai beneficiar não apenas as mulheres com deficiência, mas também aos outros públicos”, conclui.