Mais de 60 mil cirurgias cardiovasculares são afetadas por crise no abastecimento de materiais

A área de cirurgia cardiovascular enfrenta uma crise de desabastecimento de materiais. De acordo com um levantamento realizado em abril de 2021 pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular (SBCCV) entre seus sócios, 52% dos serviços de cirurgia cardiovascular do país já apresentam problemas graves de desabastecimento e 79,1% dos serviços já preveem a chegada da escassez de recursos e demonstram preocupação.

Segundo Eduardo Rocha, presidente da SBCCV, “a situação é grave e vários serviços já não conseguem receber os pedidos de internação por não terem materiais para a realização das cirurgias. Mais de 60 mil cirurgias estão paradas por falta de material”. Ele afirma também que a pandemia tem camuflado o problema, já que muitos pacientes têm suas cirurgias canceladas pela lotação dos hospitais e falta de leitos em UTI destinados à internação de pacientes com Covid-19.

Além dos próprios serviços que realizam os procedimentos, o problema no fornecimento de recursos prejudica também os pacientes, pela falta de anestésicos necessários e leitos disponíveis em terapia intensiva. A ajudante de cabeleireiro Rosilda da Silva Magalhães, de 55 anos, é uma das afetadas por esse problema. Por conta da crise no fornecimento de materiais, ela aguarda desde dezembro o chamado do hospital para fazer uma cirurgia para a troca de duas válvulas cardíacas. “Não consigo fazer caminhada, não posso trabalhar e nem posso ficar sozinha porque sinto tonturas e mal-estar várias vezes ao dia. Estou ansiosa esperando que tudo se resolva o mais rápido possível, para que eu volte a ter uma vida normal”, conta ela, que está sem trabalhar há quase 7 meses por conta disso.

A paciente Rosilda da Silva Magalhães espera desde dezembro o agendamento de sua cirurgia cardíaca (Foto: Arquivo Pessoal)

 

pesar de ter atingido o pior momento até agora, a ocorrência dessa crise já havia sido alertada por especialistas ainda em outubro de 2020, quando a Associação Brasileira da Indústria de Produtos Médicos (ABIMO) encaminhou à SBCCV um documento relatando graves dificuldades no abastecimento. Nele, a associação relatava que, como não há reajustes nas tabelas de Órteses, Próteses e Materiais Especiais (OPMEs) no SUS há mais de 20 anos, e com a perspectiva de término de isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para produtos médicos, caso não houvesse uma adequação no pagamento destes produtos, haveria desabastecimento. Entre os materiais em falta, Eduardo Rocha cita válvulas cardíacas, oxigenadores, materiais especiais e cânulas, usados em cirurgias de ponte de safena, correção de defeitos congênitos, correção de aneurismas e trocas de válvulas cardíacas.

A partir desse momento, a SBCCV comunicou a situação às entidades médicas (Conselho Federal de Medicina, Associação Médica Brasileira e Instituto Brasil de Medicina) e ao Ministério da Saúde, mas não obteve retorno. Uma nova tentativa foi realizada em fevereiro de 2021, na qual as mesmas entidades foram notificadas novamente, pois a crise já estava se instalando. Logo em seguida, recorreram ao Ministério Público Federal, pois, segundo o presidente Eduardo Rocha, “naquele momento nosso maior receio era de algum doente falecer, sem assistência médica. Em abril, nosso temor se concretizou em Minas Gerais, que começou a enfrentar o desabastecimento e, logo no dia primeiro de maio, o problema chegou a Goiás”.

 

No dia 06 de maio, representantes da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular levaram a questão a Brasília. Intermediados pelo Senador Nelson Trad, do PSD de Mato Grosso do Sul, eles realizaram um encontro com o atual Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que se comprometeu a analisar o problema. Neste momento, Rocha e os demais membros da SBCCV aguardam uma nova audiência, com objetivo de encontrar uma solução definitiva para esta crise.

Font Resize