Mobility & Show leva inovações a Belo Horizonte/MG

Público pode conferir novidades do setor automotivo e da Tecnologia Assistiva na Mobility Minas que ocorrerá no Minas Shopping, na capital mineira.

Belo Horizonte, a linda capital mineira, se prepara para receber em novembro de 2018, pela primeira vez, a Mobility & Show, maior feira de automóveis, serviços e Tecnologia Assistiva para as pessoas com deficiência do Brasil. Após ser sucesso de público e test-drives no Rio de Janeiro/RJ, Recife/PE e em São Paulo/SP, a Mobility desembarca em BH com as novidades em mobilidade e acessibilidade para todos, sob o nome de Mobility Minas !

O evento ocorre nos dias 23, 24 e 25 de novembro – MOBILITY & SHOW MINAS 2018 – Exposição de Automóveis, Veículos e Adaptações, Equipamentos e Serviços para Pessoas com Deficiência e Familiares, Idosos e Pessoas com Mobilidade Reduzida e Sequelas Motoras – no Minas Shopping, um dos mais tradicionais shoppings de Belo Horizonte/MG, e reúne muitas novidades, incluindo simulador 5D, óculos que leem textos para pessoas com deficiência visuais ou baixa visão e reconhecem até rostos e isenção de impostos para compra de carros 0 KM. A entrada e o atendimento são gratuitos aos visitantes. “Reunimos as mais modernas tecnologias disponíveis para melhorar a qualidade de vida das pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e dos seus familiares. Essa preocupação está presente em lançamentos que contribuem para a mobilidade e inclusão de mais de 46 milhões de cidadãos brasileiros com algum tipo de deficiência. Sem dizer que essas pessoas também têm isenção de impostos para compra de automóveis 0 Km e muitas vezes desconhecem a legislação e os seus direitos. A função do evento é justamente informar e empoderar as pessoas com deficiência e todos que tem esse direito”, explica Rodrigo Rosso, idealizador e realizador da MOBILITY MINAS.

A MOBILITY & SHOW 2018 em Minas Gerais reunirá mais de uma dezena de marcas de automóveis, além de adaptadores de veículos, despachantes, autoescolas, seguradoras, bancos com linhas de crédito e de financiamento, plataforma/elevadores e rampas, triciclos, cadeiras de rodas manuais e motorizadas, próteses e órteses, e muito mais.  Os visitantes poderão fazer test-drive em mais de 30 modelos de veículos adaptados, com instrutores treinados, e participar de uma série de atividades, incluindo apresentações e oficinas artísticas, atividades esportivas e radicais, musicais, palestras e outras. Tudo isso com infraestrutura totalmente acessível, incluindo banheiros, rampas e pisos táteis. “Pensamos em tudo para oferecer um pacote completo de atrações e facilidades para pessoas com deficiência e seus familiares, reforçando o seu direito à isenção de impostos na compra do carro 0 Km –  um em cada dois brasileiros tem direito à isenção de impostos e não sabe disso. Em Minas Gerais, são mais de 5 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência e com direito à isenção. No evento, os visitantes terão todas as informações sobre os benefícios e orientação de como obtê-los de forma gratuita”, afirma Rodrigo Rosso.

A mobilidade urbana avançou muito em Belo Horizonte/MG e tanto Prefeitura da cidade, quanto o governo do Estado de Minas Gerais, trabalham para transformar a infraestrutura urbana cada vez mais acessível para todos. Atualmente, segundo dados do BHTrans, dos 3.138 ônibus que atendem o transporte público da capital mineira apenas 46 não são adaptados para o transporte das pessoas com deficiência.

Com a inauguração da Cidade Administrativa pelo governo do Estado em 2010, todas as secretarias de governo estaduais foram transferidas ao longo dos últimos anos para os novos prédios, que ficam no bairro de Serra Verde, Zona Norte de Belo Horizonte/MG. Os edifícios já foram construídos prevendo a acessibilidade para os funcionários e os cidadãos que buscam os serviços no complexo administrativo.

Projetada pelo arquiteto Oscar Niemeyer (1907-2012), a Cidade Administrativa tem pelo menos 2 % das vagas dos estacionamentos reservados para pessoas com deficiência e uma vaga sempre fica próxima a cada rampa e elevador. As rampas próximas às vagas e às entradas de todos os prédios têm inclinação de 8,33 %, corrimões de ambos os lados e patamares do início ao final das rampas.

Nem toda a Cidade Administrativa está acessível. Ainda falta instalar marcação com piso tátil para pessoas com deficiência visual ou visão reduzida, diz Kátia Ferraz Ferreira, coordenadora da Rede Mineira de Tecnologia Assistiva, da Subsecretaria estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação. Kátia elogia melhorias que foram feitas nas reformas dos estádios de futebol do Mineirão e Independência – embora ressalte que no caso do Mineirão, não existe local próximo para o embarque e o desembarque de cadeirantes. Ela elogia o Mercado Central de Belo Horizonte e recomenda a visita ao local, um dos maiores mercados municipais do Brasil. “O Mercado Central é um dos lugares mais maravilhosos da capital dos mineiros, recomendo muito a visita. Temos boa circulação, banheiros acessíveis e elevadores para todos os pisos”, diz.

“A frota de ônibus de BH está sendo renovada com a substituição de ônibus antigos por veículos com plataforma elevatória (elevador) e ar-condicionado”, diz Maurício Lopes Figueiredo, conselheiro do Conped-MG. Ele explicou que além do transporte coletivo, está em curso uma intervenção da Prefeitura em algumas regiões da cidade, como na Praça da Liberdade, um dos pontos turísticos, que está sendo readequado para se tornar acessível. Figueiredo diz que por enquanto as intervenções começaram no centro e na região centro-sul da capital mineira. Elas envolvem a construção de novas calçadas e em alguns cruzamentos, a instalação de avisos sonoros para pessoas com deficiência auditiva ou audição reduzida. O rebaixamento das guias das calçadas, como em qualquer outro município brasileiro, é da responsabilidade do munícipe. “A renovação da frota de ônibus em Belo Horizonte foi muito associada à execução das obras para a implantação do sistema Move na capital e alguns dos 34 municípios da Região Metropolitana”, diz Katia Ferraz Ferreira. O Move é um sistema de ônibus articulados que circulam por faixas exclusivas em várias das principais avenidas de BH e de algumas cidades vizinhas. O sistema foi inaugurado em 2014 e atualmente é operado por mais de 700 ônibus, que circulam em 23 Km e atendem a 500 mil passageiros por dia. A gestora do transporte coletivo por ônibus na capital mineira é a BHTrans, empresa municipal que fiscaliza o sistema. A implantação do sistema Move melhorou o transporte público de Belo Horizonte, que possui apenas uma linha de metrô, com 29 Km – ela transporta 210 mil passageiros por dia.

O governo do Estado de Minas Gerais reabrirá a central de Libras – Língua Brasileira de Sinais, que terá intérpretes e atenderá ao público falante da língua, formado majoritariamente por pessoas com deficiência auditiva ou audição reduzida. A informação é de Eustáquio José de Oliveira, coordenador da Coordenadoria Especial de Apoio e Assistência à Pessoa com Deficiência (CAADE), da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania. Ele informou à Reação que serão abertas mais duas centrais de Libras, uma em Juiz de Fora/MG e outra em Uberlândia/MG – a data para a abertura depende de conversas com os dois municípios.

“O governo de Minas retomará as atividades da Central de Libras a partir de 5 de novembro; estão sendo feitos os ajustes para a sua divulgação através das redes sociais e o seu devido funcionamento”, diz Thiago Macedo, tradutor e intérprete de Libras. “Com isso haverá mais agilidade no atendimento aos usuários e um acompanhamento próximo das demandas solicitadas através das redes sociais, skype e e-mail”, explica Macedo.

O fato é que na opinião dos especialistas a acessibilidade avançou muito em Belo Horizonte, embora ainda exista muito por fazer. “O conselho dos direitos da pessoa com deficiência é muito atuante em Belo Horizonte, tanto da parte do governo como da sociedade civil. A política da educação é referência na área de inclusão, com vários processos pedagógicos e várias reuniões de formação para familiares e equipes técnicas”, diz o professor Marcelo de Melo Mendes, gerente de Paradesporto da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer da Prefeitura de Belo Horizonte.