Morre Dirceu Pinto, pentacampeão paralímpico de bocha

O atleta, que conquistou cinco pódios em grandes eventos esportivos, faleceu nesta quarta-feira, 1º/4, vítima de insuficiência cardíaca aos 39 anos

A notícia da morte de Dirceu Pinto, paratleta brasileiro na modalidade bocha, abalou o esporte e surpreendeu pessoas ligadas ao segmento de Pessoas com Deficiência. Aos 39 anos, Dirceu faleceu na tarde de quarta-feira, 1º/4, após ser internado em Mogi das Cruzes, região metropolita de São Paulo, sentindo fortes dores no peito.

Ganhador de cinco medalhas em grandes eventos esportivos – sendo quatro de ouros – o atleta, que sofria de distrofia muscular, estava em casa quando se sentiu mal durante a madrugada de quarta-feira. Encaminhado ao Hospital Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, Dirceu acabou morrendo no fim da tarde vítima de insuficiência cardíaca.

Ao saber da morte do atleta, o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) e a Secretaria Especial do Esporte, que faz parte do Ministério da Cidadania, emitiram nota lamentando a notícia e prestando solidariedade à família de Dirceu. Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Internacional (IPC), postou um texto em homenagem ao Dirceu: “Hoje perdemos um dos maiores atletas da bocha de todos os tempos. Tão jovem… Lembro quando ele ganhou suas duas medalhas de ouro em Pequim 2008, e, junto com seu parceiro Eliseu Santos, fez o Brasil se apaixonar pela modalidade. Foi a primeira vez que a bocha era transmitida pela TV no País. Dirceu foi um monstro do esporte e um amigo. Vai campeão, descanse em paz. O Movimento Paralímpico jamais te esquecerá.”

Medalhista e campeão de bocha em paralimpíadas

Dirceu Pinto sagrou-se na modalidade bocha em grandes competições. Nos Jogos de Pequim, em 2008, conquistou duas medalhas de ouro. Nos Jogos de Londres, em 2012, garantiu mais duas de ouro na competição por duplas e simples.

À carreira de atleta, Dirceu também adicionou uma medalha de prata paralímpica nos Jogos do Rio em 2016, jogando por equipe. Atualmente, era coordenador do paradesporto de Mogi das Cruzes e se preparava para voltar às competições em 2020, já que estava afastado das disputas esportivas.