Museu do Ipiranga, em SP, realiza palestras sobre acessibilidade em museus

O setor educativo do Museu do Ipiranga, na capital paulista, se prepara para atender de forma inclusiva todas as pessoas com algum tipo de deficiência, em sua reabertura, em 2022. Tendo a acessibilidade como um dos principais preceitos do Novo Museu, com recursos para uma fruição integrada, as exposições contarão com recursos como áudio-guias, audiodescrições, vídeo-libras, impressão em tinta ampliada, braile e objetos táteis, além do acesso irrestrito a todo o Edifício-Monumento. Até a reabertura, o Museu reafirma seu compromisso com palestras que visam ampliar a discussão sobre Museus e acessibilidade. Os eventos serão transmitidos pelo Instagram do Museu, sem necessidade de inscrição prévia.

A primeira palestra, Pessoas com deficiência trabalhando em museus: desafio ou necessidade?, aconteceu na primeira semana de maio. Nela, o educador cego com atuação no Museu Histórico Nacional, Leonardo Oliveira, conta parte de sua experiência como educador e usuário dos espaços museológicos para apresentar suas impressões e reflexões de como essa acessibilidade deve se dar, seus pressupostos e práticas, para que de fato o acesso seja pleno.

Já no dia 26 de maio, às 17h, o tema Comunicação inclusiva para museus: dilemas e possibilidades será apresentado por Desirée Nobre. Professora convidada da UFPEL e doutoranda de dois programas de pós-graduação com foco em comunicação acessível, sobretudo para Museus, a palestrante irá compartilhar conceitos relacionados à linguagem simples e à escrita ampliada, ou aumentativa, e as possibilidades de aplicação desses referenciais nos textos e sistemas de comunicação dos museus.

SERVIÇO

26 de maio, quarta-feira, às 17h

Comunicação inclusiva para museus: dilemas e possibilidades

Transmissão via Instagram do Museu do Ipiranga

Com Desirée Nobre

Sobre a palestrante

Doutoranda em Museologia pela Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT/Portugal) e Doutoranda em Memória Social e Patrimônio Cultural (UFPel). Mestra em Memória Social e Patrimônio Cultural. Atuou como colaboradora da Rede de Museus e na Pró-reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal de Pelotas (2018-2020). Realizou estágio em Acessibilidade Cultural no Museu da Comunidade Concelhia da Batalha e residência profissional no Museu de Leiria, ambos em Portugal. Organizadora do livro multiformato “A Casa do Conselheiro”. Pesquisadora em Acessibilidade Cultural para pessoas com deficiência.

Museu do Ipiranga – USP – Fechado desde 2013, o Museu do Ipiranga é sede do Museu Paulista da Universidade de São Paulo, e seguiu em atividade com eventos, cursos, palestras e oficinas em diversos espaços da cidade. As obras de restauro, ampliação e modernização do Museu são financiadas via Lei de Incentivo à Cultura. A gestão do Projeto Novo Museu do Ipiranga é feita de forma compartilhada pelo Comitê Gestor Museu do Ipiranga 2022, pela direção do Museu Paulista e pela Fundação de Apoio à USP (FUSP). As obras se iniciaram em outubro de 2019 e a expectativa é que o museu seja reaberto em setembro de 2022, para a celebração do bicentenário da Independência do Brasil. Para mais informações sobre o restauro, acesse o site museudoipiranga2022.org.br.

O edifício, tombado pelo patrimônio histórico municipal, estadual e federal, foi construído entre 1885 e 1890 e está situado dentro do complexo do Parque Independência. Concebido originalmente como um monumento à Independência, tornou-se em 1895 a sede do Museu do Estado, criado dois anos antes, sendo o museu público mais antigo de São Paulo e um dos mais antigos do país. Está, desde 1963, sob a administração da USP, atendendo às funções de ensino, pesquisa e extensão, pilares de atuação da Universidade.

As obras do Novo Museu do Ipiranga são financiadas via Lei de Incentivo à Cultura.

 Patrocinadores e parceiros: BNDES, Fundação Banco do Brasil, Vale, Bradesco, Caterpillar, Comgás, CSN – Companhia Siderúrgica Nacional, EDP, EMS, Itaú, Sabesp, Banco Safra, Honda, Postos Ipiranga, Pinheiro Neto Advogados, Atlas Schindler e Novalis.