Na rua, na chuva, na fazenda ou… na cadeira de rodas !

SEXUALIDADE

E por que não ? Basta ter vontade, disposição e tesão que o sexo acontece, nos mais variados lugares e das mais variadas formas.

Para quem usa uma cadeira de rodas não é diferente. A vontade acontece da mesma forma, afinal o mundo não gira diferente pela presença de uma deficiência, pelo contrário, a vida oferece inúmeras possibilidades para conhecermos e desmistificarmos o “novo”.

A vida sexual, na maioria dos casos, muda bastante após a presença de uma deficiência. O corpo muda, as sensações mudam, a mobilidade muda. As queixas são as mais diversas no início.

Com frequência, a queixa de dificuldade de transferência (da cadeira de rodas para a cama) e mobilidade no momento do sexo aparece. Essa, para muita gente, é uma dificuldade que gera ansiedade e insegurança.

Diversificar pode ser bem interessante !

A cadeira de rodas também pode ser um lugar favorável a pratica do sexo, resolvendo (momentaneamente) essa dificuldade, principalmente no primeiro encontro.

Esta opção, em geral, é bem aceita para a maioria dos casais e muitos acham até uma boa opção para mudar e sair da rotina, além de uma boa aliada para o sexo.

“Acho muito gostosa a possibilidade de usarmos a cadeira de rodas para namorar ! Isso nos dá mais liberdade, principalmente em locais onde as escadas nos impossibilitam de chegar !”, comenta F.S..

Mas antes de se aventurar a namorar na cadeira de rodas é preciso saber algumas informações importantes, como o peso máximo suportado pela cadeira e também pela almofada, que deve ser sempre superior ao peso do casal ! Detalhe muito importante para não fazer feio com a parceira(o) e ainda ficar sem a cadeira de rodas no final !

Hoje, o mercado de reabilitação dispõe de inúmeros modelos de cadeiras, inclusive as que foram feitas especialmente para ajudar na hora da relação sexual, possibilitando maior autonomia.

“A cadeira de rodas me ajuda muito, pois devido a minha deficiência passar da cadeira para cama sozinho é praticamente impossível e muitas vezes a parceira não sabe muito bem como auxiliar. Logo, se não passo para a cama, a parceira é quem passa para a cadeira !”, diz M.G.J..

Como diria Johnnie Walker: “Se sua realidade muda, seus sonhos não precisam mudar”.