Nestlé acelera a sua jornada de inclusão com acessibilidade em libras, legendas e áudio descrição em comunicações e serviços

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), mais de 10 milhões de cidadãos brasileiros são surdos, dos quais 2,7 milhões possuem surdez profunda. Dentre os profissionais com deficiência que trabalham na Nestlé, 35% têm deficiência auditiva. Essa parcela da população agora está incluída nas comunicações e serviços da Nestlé, que adaptou seus canais e interfaces para promover a acessibilidade para pessoas surdas, por meio de recursos como vídeo atendimento em libras, legendas e áudio descrição.

Um passo relevante é a nova opção do Serviço Nestlé de Atendimento ao Consumidor de atendimento por meio de vídeo em libras. Em janeiro, a companhia também lançou a sua promoção de 100 anos de forma inédita, com libras, legenda e áudio descrição. A acessibilidade também está disponível agora para o Programa Especializado de Apoio ao Colaborador (PEAC), um canal em que o colaborador ou familiares podem se consultar com profissionais especializados sobre questões emocionais, sociais, jurídicas e financeiras. “Nesse momento tão atípico que todos estamos vivendo, entendemos que oferecer o acesso a esse serviço era o caminho correto que tínhamos a seguir”, comenta Helen Andrade, Head de Diversidade & Inclusão da Nestlé.

A acessibilidade também foi incorporada ao canal de informações ao colaborador sobre seus benefícios na empresa, como planos médico, odontológico, remuneração, vale alimentação, entre outros.

Apoio interno

A Nestlé conta com um time de colaboradores surdos que têm acesso em primeira mão aos novos serviços e materiais de comunicação acessíveis para aprovação. A empresa também está ao lado de entidades como a Fundação Dorina Nowill, que deu suporte para a áudio descrição da campanha de 100 anos. “Esse é um cuidado muito importante, de ter materiais que de fato sejam compreensíveis para as pessoas surdas. Contar com um time de pessoas surdas fez toda a diferença para conseguirmos fazer algo que atenda de fato as necessidades desse público”, complementa Helen.

Outras ações

Essas iniciativas somam a diversas outras que a companhia já realizou anteriormente para atender seus colaboradores surdos com comunicações, treinamentos e serviços acessíveis. Na fábrica da Garoto em Vila Velha (ES), por exemplo, são mais de 90 colaboradores surdos. A unidade já conta com um trabalho estruturado nessa frente há mais de 10 anos, que se iniciou com uma mobilização interna e posteriormente motivou parcerias externas como, por exemplo, com o SENAI, que apoiou no trabalho de captação e inclusão de talentos surdos. Hoje a unidade possui uma tradutora na equipe interna e conta com a parceria com uma empresa de tradução e interpretação, além de realizar treinamentos e comunicações internas adaptados com libras, campanhas de conscientização e iniciativas para que outros colaboradores e líderes aprendam libras e possam se comunicar melhor com os colegas de trabalho.

A pessoa surda que inicia sua carreira na Nestlé também é recebida com uma integração em libras e legendas. “Essa é uma iniciativa muito importante, porque esses profissionais já estão entrando no universo da empresa, que para eles é novo. A compreensão do que é comunicado nesta integração é um acolhimento a essas pessoas”, finaliza Helen.