Neurologista alerta para aumento de casos de AVC em jovens

Atualmente, uma das principais causas de mortalidade e sequelas no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, é o acidente vascular cerebral (AVC), conhecido popularmente por derrame cerebral. Estima-se que cerca de 100 mil pessoas por ano venham a óbito por conta da doença. Dados da Central Nacional de Informações do Registro Civil, mostram que brasileiros entre 20 e 59 anos representavam 17,2% dos óbitos por AVC em 2019, índice que subiu para 18,5% no ano passado e chega a 20% entre janeiro e outubro de 2021.

Mas, o que alerta muitos especialistas, a doença deixou de afetar com maior frequência idosos. Um novo estudo publicado na revista The Lancet revelou que o AVC está afetando cada vez mais pessoas jovens e pessoas de meia-idade. O estudo também levantou a suspeita de que o excesso de trabalho como causador de estresse pode estar relacionado a um maior risco de AVC em jovens.

De acordo com a neurocirurgiã, Danielle de Lara, que atua no Hospital Santa Isabel (Blumenau/SC), a doença ainda atinge grande parcela da população idosa, mas tem aumentado também entre o público mais jovem. “Entre os motivos podemos destacar a exposição precoce a fatores de risco como sedentarismo, pressão arterial elevada, diabetes, colesterol alto e obesidade, além do uso de cigarro e drogas ilícitas”, alertou.

 

Sintomas e diagnósticos

Os sintomas do AVC em jovens não diferem muito de outras faixas etárias. “Os mais frequentes são a diminuição ou a perda súbita da força na face, braço ou perna de um lado do corpo; alteração súbita da sensibilidade, com sensação de formigamento na face, braço ou perna de um lado do corpo; alteração da fala, incluindo dificuldade para articular e para entender e dor de cabeça intensa”, informou a neurocirurgiã.

De acordo com a especialista, o diagnóstico é obtido por meio de exames de imagem, como a tomografia e a ressonância magnética, que permitem identificar a área do cérebro afetada e o tipo do derrame cerebral. “Existem dois principais tipos de AVC, sendo o isquêmico, quando há parada do sangue que chega ao cérebro, provocado pela obstrução dos vasos sanguíneos, e o hemorrágico, caracterizado por sangramento dentro do tecido cerebral”, ressaltou.

 

AVC e Coronavírus

O estudo divulgado pela revista médica The Lancet concluiu que entre as 600 mil pessoas acompanhadas durante o estudo, aquelas que trabalhavam mais de 55 horas por semana tinham uma chance 33% maior de ter AVC do que os que trabalhavam entre 35 e 40 horas semanais.

De acordo com a neurocirurgiã Danielle de Lara, esse resultado pode ser explicado de maneira multifatorial. “A sobrecarga de trabalho faz com que a pessoa se alimente mal, diminui a prática de exercícios físicos e a ter menos tempo para cuidar de sua saúde. Além disso, o estresse pode também aumentar a incidência de hipertensão e diabetes”.

A médica ainda alerta que com a pandemia do Covid-19, o home office foi uma opção escolhida por empresas e colaboradores para continuar as atividades profissionais. “Durante a pandemia de Coronavírus, muitos jovens optaram pelo home office e a confusão entre ambiente profissional e casa flexibilizou os limites entre expediente e folgam causando excesso de trabalho”.

Recentemente, médicos e cientistas identificaram que a infecção pelo novo Coronavírus pode acarretar em outros problemas além dos respiratórios. Após relatos de problemas neurológicos em pacientes com Covid-19, foram registrados diversos casos de pessoas com AVC e que também testaram positivo para o vírus. “Ainda há muitos estudos em andamento sobre esses casos, mas o Covid-19 está ligada a um aumento na formação de coágulos em artérias, além do risco de trombose e embolia pulmonar, tais coágulos podem atingir o cérebro, levando ao AVC”.