Novo Podcast Veja Bem traz conteúdo semanal editado, protagonizado e roteirizado por pessoas cegas e com baixa visão

Logo do Podcast, um Olho aberto desenhado em azul, com as pavalras abaixo: Veja em vermelho e bem em azul

Foi lançado recentemente o Podcast Veja bem, uma conversa semanal entre os Professores Clóvis de Barros Filho e Carlos Ferrari. A ideia nasceu na pandemia com o objetivo de trazer reflexões sobre como ver a vida com outros olhos e apresentar possibilidades concretas para viver momentos felizes além do que se pode ver. Todo o conteúdo é editado, protagonizado e roteirizado por pessoas cegas e com baixa visão e semanalmente é transcrito para ser acessado por pessoas que não podem ouvir.

Os quatro primeiros episódios podem ser ouvidos também no site www.socialsolucoes.com/podcast

O professor, escritor, palestrante e filósofo Clóvis de Barros Filho se tornou fenômeno de sucesso na Internet. Com abordagem sempre bem humorada, suas palestras e livros trazem conhecimento com alto nível de profundidade, discutindo, com uma linguagem acessível, questões como ética, existência, felicidade e filosofia grega, além de fazer chegar ao grande público ideias de pensadores como Nietzsche, Epicuro e Espinosa. Professor aposentado da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, suas palestras e entrevistas já atingiram a marca de 1,3 milhão de acessos no Youtube.

Para ele, o podcast serve para que as pessoas pensem a vida com outros olhos, o que é obrigatório para quem não tem visão. “Para quem tem deficiência visual, ver a vida com outros olhos é uma obrigação. Já para quem enxerga, é uma opção. Quando pensamos na vida, pensamos na nossa relação com as pessoas e a primeira coisa que nos vem à mente é a maneira como o mundo se apresenta a cada um de nós. A ideia semanal do nosso papo é discutir como fazer isso, como pensar fora da caixa. Vamos mostrar a nossa visão de mundo partindo de quem não enxerga”, explica.

Do outro lado do encontro está Carlos Ferrari, professor e consultor de assuntos relacionados à gestão, implementação e controle social no âmbito da Política Pública de Assistência Social e Inclusão da Pessoa com Deficiência. Carlos é diretor de Comunicação do Comitê Brasileiro de Organizações Representativas das Pessoas com Deficiência e diretor de Articulação e Relações Institucionais da Organização Nacional de Cegos do Brasil. No primeiro dia do episódio, que teve como tema “A cegueira sem glamour, sem horror, enquanto condição humana”, Carlos falou sobre a bengala como símbolo na sua vida como deficiente visual. “Quando falamos sobre a bengala, falamos sobre o que ela representa, seu simbolismo além da sua utilidade. Queremos trazer no podcast discussões como essa. Para o cego, a bengala é a independência de ir e vir e, ao mesmo tempo, um assustador objeto que deixa nossa deficiência exposta. E o que ela representa para quem enxerga? Você já parou para refletir, por exemplo, sobre como você olha para os cegos? Pensar a vida inclui pensar na forma como reconhecemos o outro. Pena, admiração, medo e estranheza são sentimentos que experimentamos como pessoas com deficiência e, acreditem, dá um trabalhão desconstruir tudo isso. Por outro lado, quando isso acontece, criamos a possibilidade de trabalhar o olhar do outro e transformar a sociedade, reconhecendo a cegueira não como doença ou castigo divino, mas simplesmente como mais uma dentre tantas condições humanas. Passamos a mapear oportunidades e ensinamentos, que é um jeito bem interessante de reprogramar a vida”, explica.

Font Resize