O papel do CIEE e o profissional com deficiência no mundo do trabalho

Anualmente, todo dia 3 de dezembro comemora-se o Dia Internacional da Pessoa Com Deficiência. A data foi criada pela ONU – Organização das Nações Unidas em 1992, e o objetivo é buscar conscientizar a sociedade para a igualdade de oportunidades a todos os cidadãos. Nessa busca, conseguir uma vaga de estágio e aprendizagem é um importante passo para uma maior inclusão no mundo do trabalho.

“Ter oportunidades para iniciar sua jornada profissional é um grande desafio para pessoas com deficiência. Muitas empresas ainda não têm programas destinados a essa parcela da população que cada vez mais reivindica esse espaço”, comenta Luiz Gustavo Coppola, superintendente Nacional de Atendimento do Centro de Integração Empresa Escola – CIEE.

De acordo com a edição mais recente no Censo do IBGE, há mais de 46 milhões de PcD no Brasil. Deste total, segundo estimativa do CIEE, aproximadamente um quarto está apto para ingressar no mundo do trabalho. Por isso, a entidade criou em 1999, o Inclui CIEE, voltado a atender esse grande número de profissionais.

“Desde a criação do Inclui CIEE, mais de 40 mil jovens já tiveram contato com oportunidades de estágio e aprendizagem. São passos importantes, mas ainda há muito a ser feito. A inclusão vai muito além da contratação de uma pessoa com deficiência”, completa Coppola.

Legislação

 

O Inclui CIEE, agindo como uma consultoria, também ajuda empresas a cumprir a lei Nº 8213/91, mais conhecida como Lei de Cotas.

Por meio dela, foi definida a obrigatoriedade de empresas com mais de 100 colaboradores contratarem profissionais com deficiência, obedecendo ao percentual que varia de 2 a 5 % de acordo com o número de colaboradores. “Cumprir a cota é o primeiro de muitos passos. Empresas mais engajadas com a diversidade já entendem a inclusão como forma de diversificar seu quadro de colaboradores, dando ferramentas e capacitação para que eles façam parte ativamente do mundo corporativo”, explica Lilene Ruy, supervisora de Inclusão Social do CIEE.

Quem pode ser estagiário ?

           

A Lei do Estágio Nº 11.788/2008, estabelece que estudantes regularmente matriculados e frequentando as aulas nas modalidades ensino médio, ensino médio técnico e ensino superior e a partir dos 16 anos, podem ser contratados como estagiários.

Quem pode ser Jovem Aprendiz ?

 

A Lei da Aprendizagem Nº 10.097/2000, estabelece que estudantes regularmente matriculados e frequentando as aulas nas modalidades nos anos finais do ensino fundamental, ensino médio, ensino médio técnico ou formado no ensino médio e a partir de 14 anos podem ser contratados como jovem aprendiz.

Sobre o CIEE

 

Desde sua fundação, há 54 anos, o CIEE se dedica à capacitação profissional de estudantes por meio de programas de estágio. Em 2003, abriu uma nova frente socioassistencial com a aprendizagem. Atualmente, administra o estágio de 200 mil estudantes e a aprendizagem de 100 mil adolescentes e jovens. Em paralelo, mantém uma série de ações socioassistenciais voltadas à promoção do conhecimento e fortalecimento de vínculos de populações vulneráveis.

1 – É uma entidade de assistência social, de caráter filantrópico, sem fins lucrativos e não tem qualquer vinculação com os governos, Sistema S (Sesi, Sesc, Senai) ou entidades de classe.

2 – Promove o acesso e a integração ao mundo do trabalho a adolescentes e jovens por meio da oferta de programas de estágio e aprendizagem.

3 – É uma entidade qualificada para ministrar os encontros de capacitação socioprofissional a aprendizes.

4 – É mantida por contribuições de empresas e órgãos públicos parceiros nos programas ofertados. Nada é cobrado dos jovens e adolescentes beneficiados.

5 – É dirigido com um conselho composto por educadores, profissionais liberais e empresários, todos voluntários.

Mais informações: https://portal.ciee.org.br/

FOTOS – Crédito: Edith Schmitd / CIEE