O Setembro Amarelo e as empresas e organizações

setembro amarelo

O suicídio continua sendo uma das principais causas de morte em todo o mundo, de acordo com as estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS) publicadas no relatório “Suicide worldwide in 2019”.

Todos os anos, mais pessoas morrem como resultado de suicídio do que HIV, malária ou câncer de mama – ou guerras e homicídios, o que levou a OMS a produzir novas orientações para ajudar os países a melhorarem a prevenção do suicídio e atendimento.

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o “Setembro Amarelo”.

O dia 10 de setembro é, oficialmente, o “Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio”, mas a campanha acontece durante todo o ano.

São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 01 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens.

Cerca de 96,8 % dos casos de suicídio estão relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias. Com o objetivo de prevenir e reduzir estes números a campanha “Setembro Amarelo” cresceu e conquistou o Brasil inteiro. Para isso, o apoio das empresas e de toda a sociedade é fundamental.

No site – setembroamarelo.com – as empresas encontrarão farto material para download e uso entre seus colaboradores.

Muitas empresas e entidades da sociedade evitam falar desse tema duro e polêmico, mas não se pode mais esconder a realidade de que o suicídio é hoje a maior causa de morte entre jovens e toda a sociedade, sem exceção, tem que se envolver, especialmente as empresas, local onde as pessoas passam boa parte de seu dia.

É preciso agir ! Já diz o slogan da campanha e ninguém terá o direito de se omitir.

Pense o que de concreto sua empresa ou organização pode fazer. Baixe os documentos, reúna seus colaboradores e promova uma séria discussão sobre o tema.

 

Pense nisso. Sucesso !

*  Luiz Marins é antropólogo e escritor www.marins.com.br