Pesquisa sobre vivências de estudantes universitários com deficiência

Uma pesquisa da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) em SP,  na área de Psicologia está investigando as percepções de vivências sociais que pessoas com deficiência física (PcD) – em especial universitários – possuem do meio acadêmico. Para isso, convida estudantes universitários, de qualquer instituição de Ensino Superior do País, com deficiência física, para participarem de uma entrevista online.

O trabalho “Perspectivas sobre socialização de estudantes universitários com deficiência física: entre estigmas e vivências no meio acadêmico” é desenvolvido pela graduanda de Psicologia da UFSCar, Sara Barbarelli de Souza, sob orientação da professora Luciana Nogueira Fioroni, do Departamento de Psicologia (DPsi).

“Em linhas gerais, podemos dizer que estigma é um sinal, um indicativo, uma marca que é imposta a um determinado indivíduo”, define Sara Souza, que usa, como uma de suas referências teóricas, os estudos do cientista social Erving Goffman. Com base nesse autor, ela explica que “o corpo é atravessado pela concepção social de um dado povo e o estigma que a sociedade designa a um determinado indivíduo impõe atenção a um atributo físico de um indivíduo se afasta e/ou anula a possibilidade de foco para outros atributos, áreas e competências desse indivíduo”.

A estudante ainda destaca: “assim como em quaisquer outros meios, o estigma pode interferir na vida acadêmica de um indivíduo na medida em que ele corrobora para a não vivência da plenitude de ser quem se é”.

Para a graduanda em Psicologia, a pesquisa pode contribuir para futuros estudos e ou/políticas educacionais que visam contemplar a necessidade atual de construir processos e métodos em políticas educacionais considerando a diversidade humana. “Além disso, o estudo pode contribuir para o conhecimento e análise de como ocorre e se desenvolve a interação social proporcionada pelo meio acadêmico, dentro das vivências e sob a perspectiva da população estudada”, conclui.

Como participar

Para participar do estudo, é preciso ser estudante universitário de graduação ou pós-graduação de qualquer instituição de Ensino Superior do país, com 18 anos ou mais; e ser pessoa com deficiência física.

A participação consiste em uma entrevista individual online, pela plataforma Google Meet, com duração de cerca de 40 a 50 minutos. A entrevista será agendada após o aceite do participante e do preenchimento do termo de consentimento, e conforme a disponibilidade do voluntário. Os interessados devem preencher este link (https://bit.ly/3wrPsyo) ou entrar em contato diretamente com a pesquisadora Sara Souza pelo e-mail [email protected].

Projeto aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da UFSCar (CAAE: 47375221.3.0000.5504).