Pets com deficiência e os cuidados para o tratamento do animal

Ainda existe muito tabu sobre o assunto de animaizinhos com deficiência que pode ser desenvolvida ao longo da vida ou adquirida depois de algum acidente. Essa condição, torna o caminho difícil para que os bichinhos sejam adotados, pois muitos tutores ainda têm um certo receio sobre os cuidados com os pets que sofrem com algum tipo de sequela. Mas, existem muitas formas de tratar ou treinar o animal para ele superar de forma sadia essa fase e ter uma vida normal, e ainda não se sentir abandonado.

Em uma pesquisa feita pelo Instituto Ampara Animal, mostrou que 10% dos animais que chegam até lá para serem tratados possuem algum tipo de deficiência física, porém poucos encontram lares.

As principais deficiências encontradas nos pets surgem por sequelas de viroses, ordem genética, atropelamentos, maus-tratos. Dentre elas, as principais consequências são: cegueira, paralisia, deficiência de algum membro, entre outras. Infelizmente, os cães ou gatos, que exprimem alguma dificuldade seja para se locomover ou para enxergar, ainda sofrem algum desprezo.

De acordo com informação do projeto da Ampara Animal, ONG parceira da Cobasi, o Brasil não tem muitas pesquisas na área e, normalmente, o abandono é realizado de maneira escondida, largando cães e gatos em espaços públicos. Porém, estudos americanos mostram que as principais causas para o abandono dos pets são por problemas comportamentais (47%) e mudanças no espaço ou na rotina (30%).

Assim como o ser humano, quando os animais possuem deficiências eles precisam também fazer tratamentos, tomar medicamentos, e dependendo da doença, usar prótese ou cadeira de roda, para melhor adaptá-los a essa nova realidade, e fornecer uma qualidade de vida que eles merecem nesse momento tão delicado. Segundo uma pesquisa do Google, o termo “cadeira de rodas para cachorro” apresentou aumento de 26% neste mês de maio de 2022 comparado a maio de 2021.

A principal recomendação para quem tem ou vai adotar um pet com deficiência, é que busque orientações sobre os cuidados essenciais, que respeite a sua limitação e promova segurança e conforto. Dessa maneira o dia a dia do tutor e do animal vai ficar muito mais fácil e natural.