Red Bull Bragantino deixa cadeirantes assistindo ao jogo contra o Corinthians no restaurante do estádio, abaixo do nível do campo: Absurdo!

Esta notícia foi publicada no site da UOL ESPORTE.

A matéria conta que um torcedor com deficiência do Red Bull Bragantino encontrou problemas no estádio Nabi Abi Chedid em Bragança Paulista/SP e precisou assistir parte do jogo contra o Corinthians, neste domingo, pelo Campeonato Brasileiro, no restaurante do clube, abaixo do nível do campo. A história foi relatada pela sobrinha e pela irmã do torcedor, Leonardo Marcel, nas redes sociais. O clube já emitiu um pedido de desculpas. Porém, segundo a irmã do torcedor, Leonardo foi ao jogo em sua cadeira de rodas, acompanhado do irmão e ao chegar no estádio, foi diretamente encaminhado ao restaurante do clube, já que o Nabizão hoje não conta com um setor específico para cadeirantes. Por lá, ele encontrou dificuldades para assistir à partida, pois o restaurante fica abaixo do nível do gramado.

Além de Leonardo, outro torcedor cadeirante, um corintiano, também precisou assistir parte da partida entre Bragantino x Corinthians do restaurante. A família relata que comprou um ingresso por R$ 70 na arquibancada destinada a pessoas com deficiência – setor amarelo com acessibilidade – e chegando lá teve a desagradável surpresa de colocarem os torcedores no restaurante, onde só se vê o jogo abaixo do nível do campo. Só depois de muita reclamação, levaram os cadeirantes a outro ponto do estádio para assistir o restante da partida.

Segundo relatos de familiares, os problemas começaram já no momento de estacionar o carro dentro do estádio. Não queriam deixar os cadeirantes entrarem com os carros. Na matéria ao portal UOL Esporte, o Bragantino confirmou que o espaço anterior destinado aos cadeirantes foi vetado pelos bombeiros e que, com isso, eles passaram a ser alocados no restaurante. Como o público não costuma ser grande e nem sempre o estádio recebe pessoas com deficiência, o clube admite que deixou a desejar e que esse ponto será corrigido para que nenhuma pessoa com deficiência volte passar por esse constrangimento. É um absurdo !!!