Repercutem denúncias de famílias de pessoas com deficiência sem atendimento no Estado de SP

live

Tem alcançado uma grande repercussão a transmissão feita pela  TV e Revista Reação que abordou os problemas de famílias paulistas de pessoas com deficiência que enfrentam as dificuldades criadas pela Secretária de Estado da Saúde na entrega de alimentação parenteral, fraldas infantis e geriátricas, medicamentos, equipamentos, suprimentos e outras necessidades básicas para o dia a dia.

Mesmo após a LIVE, o SISTEMA REAÇÃO permanece recebendo informações de outras famílias que enfrentam o mesmo problema. Uma das denúncias foi feita por Cristiane Souza.  “Tenho um filho com deficiência. Referente à Live, informo que estou à disposição de vocês para essa batalha que estamos enfrentando a favor das pessoas com deficiência. Estou há 6 meses sem receber a alimentação do meu filho, mesmo com ordem judicial.  A Secretaria da Saúde não forneceu. Estão usando a pandemia para justificar o descaso. Não tenho condições de comprar esses alimentos, pois são muito caros. Meu filho está ficando cada vez mais debilitado por falta dela. Cuido dele 24 horas por dia e o pai dele está desempregado. Tenho todos os recibos comprovantes do que estou falando”.

O apelo de Cristiane Souza é mais um. Na tarde desta quinta-feira, ao VIVO, as denúncias foram feitas por Maria de Fátima Silva Lima, pessoa com deficiência física (esclerose múltipla) e mãe da Viviane Aparecida de Lima, 27 anos; Lídia Costa – com miastenia por mutação genética; Gersonita Pereira de Souza, mãe da Larissa Pereira de Souza Chaves, 27 anos; Patricia Ferreira Miranda, mãe do Willian Ferreira de Oliveira, 27 anos, possui mucopolissacaridose tipo 3 A – conhecida como sanfellipo; Luciana Ramos, mãe do Bruno Ramos Taconelli, 26 anos, tetraplégico e com leucodistrofia sudanofila de pelizaeus merzbacher; Jacqueline Mesquita Galvão, mãe da Raphaella Mesquita Galvão, de 10 anos e Vanessa Mauricio, mãe da Ana Clara Maurício, 11 anos com paralisia cerebral.

Na manhã desta sexta-feira, 19, o Departamento de Jornalismo – pela terceira vez, voltou a encaminhar as denúncias apresentadas por essas famílias. Mensagens foram encaminhadas para as Assessorias do MINISTÉRIO PÚBLICO DE SÃO PAULO / NÚCLEO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA; DEFENSORIA PÚBLICA DE SÃO PAULO – NÚCLEO ESPECIALIZADO DA PESSOA IDOSA E COM DEFICIÊNCIA; SECRETARIA ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA; SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO E IMPRENSA DO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO; COMISSÃO DE DEFESA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA OAB/SP; SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO E A DEPUTADA ESTADUAL VALÉRIA BOLSONARO – PRESIDENTE DA FRENTE PARLAMENTAR DE DEFESA DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO.

A expectativa é que os órgãos que já receberam as denúncias respondam para as famílias sobre o grave problema enfrentado por essas pessoas com deficiência.

 

 

DR RONILSON SILVA

“É vergonhoso que o maior ESTADO da Federação e o mais rico, o Estado que criou a primeira Secretaria Estadual da Pessoa com Deficiência, o Estado que elegeu uma Tetraplégica para o Senado Federal”

Roque Pereira

“Tenho deficiência por conta da poliomielite que tive quando criança. Estou com dificuldade em conseguir uma bota de compensação de uma das pernas!”

Rede tvs Comunicação

“Estamos participando da reunião do AMA Pq anhanguera, e sempre falo dos descasos junto a pessoa com deficiência”

Marcos Antônio

“O governador de São Paulo simplesmente esqueceu das pessoas com deficiências, tirando direitos, de forma desumana discrimina os já discriminados, não dá o mínimo de tratamento decente. Desrespeita o Estatuto da Pessoa com Deficiência, a Convenção Internacional de Direitos da Pessoa com Deficiente. Isso cabe notificação por escrito ao Secretário-Geral das Nações Unidas. A Dra. Célia Leão, que deveria nos defender, deveria se manifestar destas ilicitudes, ao invés de ir em público chamar os PCDs de fraudes”

Lidia Costa

“Falta punição para quem descumpre a ação judicial”.

Lindacy Alves

“O que falta é pôr em prática as políticas que já existem. Não é favor. É Direito já adquirido em todas esferas: FEDERAL,  ESTADUAL e MUNICIPAL”