Seleção Brasileira de bocha paralímpica conhece piso da estreia nos Jogos de Tóquio

Primeiro treino da Seleção Brasileira da bocha no Ariake Gymmastics Centre, em Tóquio |
Guilherme Yoshida / CPB

A Seleção Brasileira de bocha paralímpica fez seu primeiro treino na manhã desta segunda-feira (no Japão), 23, no Ariake Gymmastics Centre, local que serão realizadas as disputas da modalidade durante os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020. A cerimônia de abertura será nesta terça, 24, às 8h (horário de Brasília), com transmissão ao vivo do Sportv 2 e da TV Brasil.

Para os atletas, o mais importante da primeira atividade em quadra desde que entraram na Vila Paralímpica, no último sábado, 21, foi o reconhecimento do piso que haverá a disputa contra os outros países. Este contato permite dosar a força do lançamento, a aderência da bolinha durante a rolagem no chão, entre outros aspectos.

“Para todos [da bocha] é muito importante conhecer o piso de um lançamento, principalmente, da classe BC3, na qual a bolinha desce da calha e já tem contato com o chão do começo até o fim da jogada. Então, é muito importante para a gente conhecer o piso que vai ter no jogo. Aqui a quadra está muito firme”, explicou Evani Calado, medalha de ouro nas duplas mistas BC3 ao lado de Antônio Leme e Evelyn Oliveira nos Jogos do Rio 2016.

A atleta pernambucana, que teve paralisia cerebral na hora do parto por falta de oxigênio, revelou ainda que o inédito local de treino a trouxe outra inspiração vinda dos Jogos Olímpicos.

“Quando entrei na arena, me arrepiei bastante porque foi o local onde aconteceram as provas de uma modalidade dos Jogos Olímpicos que eu amo, a ginástica artística, e pelas conquistas da brasileira Rebeca Andrade. Está muito linda a arena”, completou Evani, referindo-se à primeira ginasta brasileira a ser campeã olímpica.

O Ariake Gymnastics Centre é uma arena esportiva localizada no distrito de Ariake, em Tóquio, e tem capacidade para 12 mil pessoas. Porém, devido à pandemia da Covid-19, não haverá público durante a realização do evento neste ano.

“O piso está show. A arena é fantástica, está tudo do jeito que a gente gosta. A bolinha está rolando bem no piso, correndo bem. Eu jogo também buscando pingar a bolinha perto da bola branca e, com o piso retinho, a gente espera que vá dar tudo certo [nos Jogos]”, finalizou Eliseu dos Santos, atleta da classe BC4 e medalhista de ouro em Pequim 2008, Londres 2012 e prata na prova de duplas mistas ao lado de Dirceu e do irmão Marcelo dos Santos nos Jogos do Rio 2016, entre outras conquistas.

O Brasil está com onze atletas da bocha nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e estreia na competição no próximo sábado, 28, nas disputas individuais das classes BC1, BC2, BC3 e BC4.

Patrocínio
A delegação brasileira e a bocha têm o patrocínio das Loterias Caixa.

Programa Loterias Caixa Atletas de Alto Nível
O atleta Eliseu dos Santos é integrante do Programa Loterias Caixa Atletas de Alto Nível, programa de patrocínio individual da Loterias Caixa que beneficia 69 atletas.

Assessoria de Comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro