Sem investimentos, mundo não cumpre metas de serviços de saúde mental

A pandemia de Covid-19 deixou claro que cada vez mais pessoas precisam receber tratamento de saúde mental. Mas um novo relatório da Organização Mundial da Saúde, OMS, destaca um “cenário decepcionante no mundo”, com os pacientes não tendo acesso a um apoio tão necessário.

O Atlas da Saúde Mental, publicado pela agência recentemente, inclui dados de 171 países. O diretor-geral da OMS declarou ser extremamente preocupante que apesar do aumento evidente da necessidade de serviços de saúde mental, as boas intenções não representam investimentos financeiros.

Em Genebra, Tedros Ghebreyesus pediu “ação diante deste alerta e o  aceleramento  de investimentos, pois não há saúde sem saúde mental.”

O Atlas informa que, em média, apenas 2% dos orçamentos dos governos para o setor da saúde são reservados a serviços de saúde mental.

Segundo a OMS, quase nenhuma das metas para o setor foram atingidas, incluindo  liderança eficiente, fornecimento de serviços médicos em comunidades e ações de promoção e prevenção de problemas de saúde mental.

No ano passado, apenas 51% dos países-membros da OMS informaram que tinham políticas de saúde mental que estavam de acordo com normas internacionais de direitos humanos, bem abaixo da meta de 80%.

A OMS destaca ainda que apenas 52% das 194 nações tinham  programas de prevenção e de promoção da saúde mental. A única meta atingida foi uma redução de 10% no índice de suicídio, mas ainda assim, apenas 35 países confirmaram ter uma estratégia de prevenção.

Outro dado realçado no relatório é o fornecimento de medicamentos e de tratamento psicossocial em serviços primários de saúde continuam limitados. Apenas 25% dos países já integraram tratamentos de saúde mental em cuidados primários.

Por outro lado, cresce o número de nações onde o tratamento de condições severas de saúde mental já está incluído nos seguros nacionais de saúde ou em esquemas de reembolso.

O documento da OMS sublinha que nos países de renda alta, o total de trabalhadores no setor de saúde mental para cada 100 mil habitantes chega a ser 40 vezes maior do que os funcionários dedicados em países de baixa renda.

Ao lançar o Atlas, a OMS aproveitou para ampliar, até 2030, o período para cumprimento de metas do setor.

A diretora do Departamento de Saúde Mental da OMS, Dévora Kestel, salienta que ainda há um “longo caminho a percorrer para garantir que todas as pessoas, em todos os lugares, tenham acesso a cuidados de saúde mental de qualidade.”