Sete expressões capacitistas que precisam ser retiradas do vocabulário

De acordo com o censo do IBGE, 23,9% da população brasileira possui algum tipo de deficiência, representando 45 milhões de pessoas. Mesmo com essa representatividade, expressões capacitistas – termo que remete à discriminação e o preconceito social contra pessoas com alguma deficiência – ainda são utilizadas frequentemente, inclusive no mundo corporativo.

Considerando que uma das maiores dificuldades enfrentadas por pessoas com deficiência é a inclusão no mercado de trabalho, empresas e funcionários precisam estar preparados para não reproduzir comportamentos capacitistas. Pensando nisso, a Egalitê, startup de empregabilidade para PcD, que viabiliza além de vagas de emprego a capacitação para empresas, separou sete expressões que precisam ser retiradas do vocabulário popular:

“A equipe não tem braço/perna para essa demanda”

É possível substituir o uso da expressão por algo como: precisamos de mais funcionários ou contratações para entregar um resultado melhor.

“Está surdo?”

Às vezes, a frase acima é utilizada como uma forma de hipérbole. No entanto, ela é ofensiva para as pessoas que efetivamente possuem deficiência auditiva. Dessa forma, falar um pouco mais alto e perto da pessoa ou simplesmente perguntar se ela te ouviu resolvem a questão.

“Não estou enxergando, estou cego”

Outra situação de hipérbole que pode ser alterada por: preciso ir ao oftalmologista, preciso buscar meus óculos ou até mesmo preciso aumentar a letra do material lido.

“Fulano agiu igual retardado”

A afirmação ofensiva pode ser substituída por uma postura de empatia com a pessoa no intuito de entender quais os motivos dessa atitude. Se ainda assim houver repulsa, um “não gostei da atitude de fulano” é suficiente.

“Pare de fingir demência”

Além de tentar se explicar novamente, a pessoa que reproduz essa frase pode substituí-la por: “pare de fingir que não entendeu”.

“O que ela fez foi mancada”

O termo preconceituoso pode ser trocado por sacanagem sem alterar o sentido da frase.

“Ele deu uma de João sem braço”

A palavra desentendido no lugar de “João sem braço” exprime a mesma ideia sem cunho preconceituoso.

Vem aí a Inclui Pcd
Com atuação direta no universo da inserção nas empresas, a Egalitê realizará a segunda edição da Inclui PcD, maior feira de empregabilidade para o público, nos dias 20 e 24 de setembro de forma gratuita e online. Em 2020, a Inclui PcD promoveu 8 mil conexões, 5 mil vagas e 200 empresas participantes. Para 2021, nomes como Carrefour, Magalu, MercadoLivre, Itaú, Renner, P&G, EY, Eixo SP, J.P. Morgan e Johnson Control já estão entre os patrocinadores.