Startup brasileira desenvolve jogo terapêutico para crianças com autismo

ilustração do jogo

A startup brasileira Matraquinha lança nesta sexta-feira, 2, Dia Mundial do Autismo, o jogo Matraquinha PAIR, que permite estimular o desenvolvimento cognitivo perceptivo visual com exercícios de lógica e memorização. O desenvolvimento foi em parceria com a empresa Mens Sana Interactive.

“Sabemos que crianças e adolescentes com este transtorno são extremamente sensíveis aos estímulos externos e, por conta disso, todas as ilustrações, cenários e efeitos sonoros foram cuidadosamente pensados de acordo com o bem-estar dos jogadores”, diz Wagner Yamuto, CEO do Matraquinha

Nos primeiros níveis será apresentada uma figura conhecida pela criança ou adolescente, com duas opções de emparelhamento. Conforme o desempenho, a dificuldade vai aumentando, até chegar a três opções.

O jogo tem um sistema de pontuação que visa estimular o desenvolvimento conforme a evolução, além de desbloquear conquistas onde o jogador receberá selos como prêmios.

As temáticas do emparelhamento são alimentos, roupas, materiais escolares e brinquedos.

São 99 ilustrações com sistema de arrastar e soltar, onde se aprende a nomear os objetos e identificar em quais locais normalmente eles são encontrados.

“Eu já conhecia o projeto Matraquinha e, quando soube que eles estavam expandindo o projeto, nasceu o interesse em apoiá-los no desenvolvimento de jogos e sua publicação em lojas digitais. Tem sido uma parceria muito gratificante e produtiva”, diz Márcio Gastaldello, Lead Designer e sócio da Mens Sana Interactive.

O jogo será disponibilizado mundialmente para PC e MAC e nos idiomas Português e Inglês. O site é

www.matraquinha.com.br/jogo-matraquinha-pair/

A Matraquinha é uma startup brasileira criada pelo casal Wagner e Grazyelle Yamuto, que vive o autismo diariamente por seu filho Gabriel, diagnosticado aos 2 anos e meio, e por Adriano Yamuto, tio do menino. O objetivo é disponibilizar recursos para que a comunicação de crianças e adolescentes com transtorno do espectro autista seja feita de forma funcional e também ferramentas para estimular desenvolvimento cognitivo perceptivo visual, estímulo cerebral e exercícios de lógica e memorização, para serem utilizadas em conjunto com profissionais da saúde, educação, pais ou qualquer outro responsável por essas crianças.