Tecnologia e diversidade: 3 dicas para promover a inclusão de PCDs na sua empresa

tecnologia

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), aponta que 87% das empresas desejam ser reconhecidas como diversas e inclusivas. No entanto, somente 60% conduzem ações ou programas de inclusão.

A empresa Keeggo, parceira na transformação digital de organizações, alerta que incluir colaboradores PCD vai muito além de contratá-los. É preciso assegurar que eles se sintam realmente inclusos e confortáveis durante a jornada de trabalho, para que possam desempenhar melhor seu papel dentro do ambiente corporativo e a tecnologia pode ser aliada nesse processo.

Sendo assim a Keeggo separou três dicas de como as empresas podem usar a tecnologia na promoção de uma real inclusão:

1. Realize um recrutamento inclusivo

A estratégia de recrutamento usada pelo RH também precisa ser inclusiva e os profissionais que se envolvem nessa dinâmica precisam estar alinhados à cultura organizacional e ao propósito de fomentar a diversidade. Além disso, é possível recorrer a softwares de inteligência artificial que otimizam e direcionam com mais assertividade o processo de recrutamento, ajudando inclusive a eliminar predisposições inconscientes dos recrutadores que afetam a atração e seleção de determinados perfis de candidatos, diminuindo o potencial de diversidade das equipes.

2. Democratize o uso de tecnologias

As empresas precisam estar preparadas para garantir que todos os funcionários, sejam eles PCD ou não, possam desempenhar suas atribuições de forma plena, atingindo seu máximo potencial de desenvolvimento e colaboração. Além de ofertar treinamentos e as capacitações necessárias, deve-se prever a adoção de tecnologias acessíveis, como leitores de tela para pessoas com deficiência visual, aplicativos para tradução simultânea de conteúdos para a língua brasileira de sinais e softwares de automação por reconhecimento de voz, para pessoas com baixa mobilidade.

3.   Mantenha um canal de escuta sigiloso e permanente

Quando inseridos na rotina de trabalho, os colaboradores podem se deparar com dificuldades ou desconfortos não previstos no processo de seleção. E nem sempre eles se sentirão seguros para expressar essas sensações. É fundamental oferecer um canal permanente de escuta e a tecnologia pode ajudar nesse sentido. “Além de preparar lideranças para o recebimento desse tipo de feedback, pode-se disponibilizar chatbots com garantia de privacidade e sigilo, para o atendimento e registro de reclamações, sugestões e até mesmo denúncias”, sugere a especialista.