TROQUE A PALAVRA EXCLUSÃO POR OPORTUNIDADE!

* Por Cynthia Pereira


Vamos mais um pouquinho aqui conosco?
O ano de 2021 foi desafiador. Escola nova, mesmo a distância, era uma realidade diferente. Saímos de uma escola municipal e iniciamos na rede particular. O online não foi viável para Isabella, passando a ir somente presencial.
Sua carreira de blogueira está a todo vapor.

Já com o curso de modelo, não imaginávamos que iria nos encantar tanto!

Os recebidos, fazer os vídeos, poses para fotos ajudou muito no desenvolvimento global da minha pequena.

É isso: trocar a palavra exclusão por oportunidade. É o que vem acontecendo há dois anos. Estamos muito felizes.
As oportunidades, muitas das vezes, precisamos buscar. Mostrar nossos filhos e seu potencial.

Hoje em especial deixo aqui um depoimento de uma parceria da Isabella, em que ela foi descoberta, leiam e se emocionem conosco.

“Conheci a Bella através de um mapeamento que eu estava fazendo para captar influenciadoras para ações mensais de seeding da marca que sou marketing. Gostei do perfil, gostei da Bella, gostei dos conteúdos. Entrei em contato através do direct e a partir daquele momento surgiu um relacionamento muito bacana, que ao longo desses 6 meses, eu me sinto próxima da Bella com seus “Bom dia tia Rê”, participando mesmo que a distância das sessões de shooting que a Bella gosta de fazer no parque,  com as conversas fora do horário de trabalho com a Cynthia, que compartilha as descobertas e aprendizados diários da Bella. Eu acredito que isso é humanizar, é conversar, é procurar entender o dia-a dia da outra pessoa, seus aprendizados e dificuldades, compartilhar momentos e histórias, gosto de me relacionar pois somente assim consigo trabalhar melhor com o influenciador, ajudar no que for preciso e de quebra ganho um amigo para a vida. A parte da inclusão social é algo muito forte em mim, acredito que por eu ter vivido desde pequena com meu pai que é deficiente físico, eu sei das limitações, das dificuldades diárias de se locomover nas ruas, para ir trabalhar, estudar, passear, sem contar que muitas empresas não contratam um PCD porque não está preparada para recebê-lo e também não investe para adaptar o local de trabalho, nosso país ainda tem muito o que melhorar em diversos aspectos para dar suporte e oportunidade para PCD” –  Regiane Rodrigues Silva

* Cynthia Pereira é mãe ativista. Ela escreve, periodicamente, para o Portal de Notícias da Revista Reação, dando sequência aos artigos.