Um pouco de história… Nosso primeiro encontro na REATECH com Rodrigo Rosso, em 2007 !

Em 2006, recebi a visita de uma querida amiga brasileira na Argentina, Rosángela Berman Bieler.

Houve momentos em que as redes sociais e a Internet não tiveram o boom de hoje. Os contatos e formas de obter informações sobre ACESSIBILIDADE eram muito mais pessoais e as investigações eram feitas por amigos, em contato via pessoal ou via email.

De alguma forma, descobri a feira REATECH no Brasil, que acontecia todos os anos, geralmente no mês de abril.

Perguntei a Rosángela se era um evento que valeria a pena, pois envolvia pegar um avião, pagar dias e comida no hotel.

Ela me disse que era a feira de tecnologia assistiva mais importante depois da  a feira de Alemanha, mas com toda a marca do Brasil: alegria, barulho e alvoroço.

Tendo a sorte de falar a língua, decidi rapidamente. Não encontrei companhia para ir, mas isso também não me fez desistir.

Eu entrei naquela cidade que é realmente imensa sem conhecer ninguém ou como chegar ao evento. Emoção e expectativa me invadiram.

Antes de pisar em solo brasileiro, no avião, sentada ao meu lado, conheci Andrea, que também não havia encontrado companhia e se aventurou a ir com um bebê de apenas alguns meses à feira. Ela era proprietária e representante de várias marcas de plataformas de elevação, conhecia muito bem a feira alemã, mas estava curiosa sobre isso tudo estar acontecendo no Brasil, tão perto de nosso país, a Argentina.

Conclusão, antes da chegada ao pais vizinho, antes mesmo do pouso, eu já tinha alguém para visitar a feira comigo !!!

Estávamos em hotéis separados, mas visitamos a feira juntas. Em muitas ocasiões, ela tinha um horário mais limitado porque estava com o bebê. Fiquei indo os quatro dias desde o horário da abertura até o fechamento.               No primeiro dia de turnê na feira, eles me deram uma cadeira de rodas motorizada emprestada, que facilitou muito minha vida, permitindo que eu viajasse com facilidade pela grande extensão do evento.

Também antes de retornar ao hotel, eles me deram uma revista, chamada REABILITACAO (na época era assim que se chamava a Revista Reação). Ela era  a revista que organizava a feira e foi o meu único material de leitura para a noite.

Adorei logo que a tive nas mãos, era uma revista com uma preparação impecável e dinâmica, com muito boas notas e até uma traduzida para o espanhol.

No segundo dia, conheci Jani Nayar, outra ótima referênte de acessibilidade, amiga de Rosángela. Jani era indiana e morava nos EUA, e participava da feira representando a SATH, uma organização de turismo internacional. Ela queria me apresentar ao Rodrigo Rosso, o organizador da feira. Foi um encontro muito agradável, cheio de surpresas para nós dois.

Nós nos conectamos muito rapidamente e, após uma breve conversa, já tínhamos um acordo: eu escrevia artigos sobre TURISMO E ACESSIBILIDADE sobre a Argentina ou outros destinos pelo mundo, em espanhol ou português.

Feliz, iria ter a oportunidade de escrever em uma revista brasileira, com um olhar alegre, profissional, profundo e responsável no mundo da deficiência, acessibilidade, ajudas técnicas.

A partir daí, criamos um relacionamento em que o respeito, bom tratamento e idéias inovadoras fluíam reciprocamente. Não era de estranhar que no ano seguinte decidisse voltar à feira, desta vez acompanhada por meus pais.

Na minha segunda visita à feira, fui com um grupo de argentinos que trabalhavam no Serviço Nacional de Reabilitação da Argentina, e uma empresa que fazia comandos manuais para adaptar carros a serem dirigidos sem usar os pés no meu pais.

Também naquela oportunidade, conheci meu amigo, professor e mentor Scott Rains no aeroporto. Juntos, tivemos a oportunidade de dizer algumas palavras na abertura da edição de 2008 da feira REATECH, um momento que nunca esquecerei.

As conversas com Scott e Rodrigo, bem como com o grupo de argentinos, foram inesquecíveis. Compartilhar a REATECH´2008 com meus pais foi uma emoção tão grande que gerou a abertura do meu blog: TURISMO E ACESSIBILIDADE AO MEIO FÍSICO, feito por minha mãe.

Ela acreditava firmemente que as novas tecnologias, na época um BLOG da ONU, eram o canal mais ágil para um número maior de pessoas conhecer os últimos desenvolvimentos no mundo da ACESSIBILIDADE e INCLUSÃO. Acontece que é, e continua sendo hoje, com a adição das redes sociais Facebook e Instagram.

Graças à revista REABILITACAO, hoje REVISTA REACAO, e às reuniões geradas por mentores e amigos, também posso agradecer ao Rodrigo Rosso pela oportunidade de compartilhar nosso mundo para um grande número de pessoas.

Apenas um ano e meio depois de estar na REATECH´2008, em 25 de setembro de 2009, foi inaugurado o SOLAR DEL PAGO – BOUTIQUE HOTEL, RESTÓ Y SPA – o primeiro hotel totalmente acessível na Argentina. Meu grande sonho se tornou realidade. Nove quartos, uma sala de restaurante para 30 pessoas, SPA, piscina e um bar.

Este ano, em 2019, o Hotel SOLAR DEL PAGO completou 10 anos de operação ininterrupta e trabalhando cada dia com mais paixão !

SOLAR DEL PAGO foi escolhido pelo Ministério do Turismo da Nação Argentina em 2010 e em 2015, por cumprir o Programa de Diretrizes de ACESSIBILIDADE em HOTÉIS E SERVIÇOS DE TURISMO argentino.

Minha vida continuou passando entre minha querida Argentina e viajando por todos os destinos que eu sonhei e aqueles que nunca imaginei, em todo o mundo.

Mais tarde, em 2014, estudei novamente por amor à ACESSIBILIDADE e ao  DESENHO UNIVERSAL. Foi a melhor decisão que tomei, fiz uma pós-graduação sobre essas questões, minhas paixões, na Espanha. Foi na UIC – Universidade Internacional da Catalunha, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo.

Voltando ao tópico, gostaria de expressar um agradecimento especial à revista REABILITACAO, hoje REVISTA REACAO, e às reuniões geradas por professores, mentores e amigos. Definitivamente, agradeço ao Rodrigo Rosso pela oportunidade de compartilhar nosso mundo com um grande número de pessoas.